CGU não se esforçou no caso Petrobras, diz ex-SBM Offshore

Ex-executivo da empresa disse que "está absolutamente certo" de que o ritmo de trabalho da CGU sobre propina na Petrobras "não foi coincidência"

Farnborogh, Hampshire, Inglaterra - O ex-executivo da empresa holandesa SBM Offshore, Jonathan David Taylor, disse que "está absolutamente certo" de que o ritmo dos trabalhos da Corregedoria Geral da União (CGU) sobre as denúncias de pagamento de propina na Petrobras "não foi coincidência".

"Foi um esforço consciente para suprimir informações-chave dos brasileiros até após as eleições presidenciais de outubro", disse em rápida entrevista após deixar a sala onde prestou depoimento de mais de sete horas à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras.

"Há evidências de que propinas foram pagas via Julio Faerman para pessoas da Petrobras. No entanto, isso não foi revelado mesmo com a entrega dos documentos que fiz à CGU em agosto até novembro após as eleições", disse o ex-executivo.

"Estou absolutamente certo de que isso não é coincidência", disse Taylor.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.