Bolsonaro participará de Cúpula das Américas e terá reunião com Biden

Será o primeiro encontro do brasileiro com o presidente americano desde a posse do democrata em 2021
Cúpula das Américas: A cúpula está sob ameaças de boicote por parte de alguns líderes da região (AFP/AFP)
Cúpula das Américas: A cúpula está sob ameaças de boicote por parte de alguns líderes da região (AFP/AFP)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 26/05/2022 10:18 | Última atualização em 26/05/2022 13:10Tempo de Leitura: 2 min de leitura
O Itamaraty confirmou em nota que o presidente Jair Bolsonaro (PL) viajará aos Estados Unidos para a IX Cúpula das Américas, marcada para ocorrer em Los Angeles entre os dias 6 e 10 de junho. Será o primeiro encontro do brasileiro com o presidente americano, Joe Biden, desde a posse do democrata em 2021.

Como mostrou o Estadão/Broadcast, Bolsonaro resistia a participar do encontro multilateral para focar em sua agenda doméstica, incluindo a eleitoral, mas acabou convencido a ceder por conselheiros políticos e diplomatas, segundo apurou a reportagem. Os EUA chegaram a escalar o ex-senador americano Christopher Dodd para entregar o convite a Bolsonaro pessoalmente, o que aconteceu na última terça-feira, 24.

O Ministério das Relações Exteriores evitou fornecer mais informações sobre a viagem e disse que detalhes sobre a agenda devem ser apurados junto à Secretaria de Comunicação (Secom). "O Itamaraty adota as medidas preparatórias à visita do Presidente da República a Los Angeles, para participar da próxima Cúpula das Américas", informa a pasta.

A Cúpula das Américas, a primeira sediada nos Estados Unidos desde o encontro inaugural em 1994, deve discutir temas como democracia, direitos humanos e preservação do meio ambiente, calcanhar de Aquiles para o presidente brasileiro, criticado internacionalmente pela devastação da floresta amazônica.

Bolsonaro e Biden colecionam trocas de farpas desde o período da eleição americana, sobretudo quando o assunto é preservação do meio ambiente.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM: Ação que matou 25 no Rio: o que dizem Bolsonaro, Fachin, Castro e Freixo