Brasil

Em BH, Duda Salabert e Rogério Correia firmam compromisso por candidatura única

Pré-candidatos se reuniram nesta segunda-feira na capital mineira; eles disputam o apoio do presidente Lula com o prefeito Fuad Noman (PSD)

Duda Salabert (Instagram/Reprodução)

Duda Salabert (Instagram/Reprodução)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 3 de julho de 2024 às 11h16.

Última atualização em 3 de julho de 2024 às 11h24.

Os deputados federais e pré-candidatos à prefeitura de Belo Horizonte, Duda Salabert (PDT) e Rogério Correia (PT), firmaram nesta segunda-feira um compromisso para que se chegue a uma chapa única de esquerda no município. Em reunião na capital mineira, os políticos reforçaram o desejo de estar na mesma coligação já no primeiro turno das eleições.

Ainda não há um consenso, contudo, sobre quem irá encabeçar a chapa, uma vez que tanto a pedetista quanto o petista desejam chefiar Belo Horizonte. Articuladores de ambos os lados afirmam que nenhum tem a intenção de ceder.

"Duda tem mantido conversas com o progressismo, mas não tem nenhum tipo de acordo para abrir mão da candidatura. A construção é toda no sentido de que eles se juntem a nós, até porque ela está na frente nas pesquisas", diz o presidente municipal do PDT, o vereador Bruno Miranda.

Miranda se refere à primeira pesquisa Quaest, divulgada há duas semanas na capital. A amostra aponta uma liderança do deputado estadual e apresentador licenciado da Record TV, Mauro Tramonte (Republicanos). Em segundo lugar, aparecem empatados tecnicamente seis pré-candidatos — incluindo Duda e Rogério.

Numericamente, contudo, a pedetista está na frente, com 9%, enquanto o petista soma 6% das intenções de voto. A margem de erro é de três pontos percentuais.

Já articuladores de Rogério Correia apontam que a reunião representou um avanço, mas inconclusiva, uma vez que não se chegou a um denominador comum de como será a composição desta eventual chapa única.

Recentemente, o petista conseguiu angariar o apoio da federação PSOL/Rede, que havia lançado a deputada estadual Bella Gonçalves (PSOL) na disputa. Presente na reunião desta segunda-feira, Bella diz ainda falta definições:

"A disputa da cabeça de chapa é o que tem emperrado o debate, mas há o entendimento de que a unidade é fundamental para chegarmos no segundo turno", resume.

As conversas entre os pré-candidatos da esquerda ocorrem em meio à disputa pelo apoio do presidente Lula (PT), que oficialmente está no palanque de Rogério Correia. Na semana passada, em entrevista exclusiva à rádio FM O Tempo, o chefe do Executivo acenou publicamente pela primeira vez ao petista.

"O Rogério é o candidato do PT. Ele é um quadro muito respeitado e continua sendo o candidato do PT, o meu candidato à prefeito de Belo Horizonte", disse.

A declaração ocorreu em meio às pressões do PSD para que o presidente esteja no palanque do atual prefeito, Fuad Noman. Nos bastidores, articuladores apontam que a composição entre os nomes da esquerda irá se fundir a Fuad, o que é negado por Rogério Correia e Bella Gonçalves.

Ao GLOBO, o presidente do PSD no estado, o deputado Cassio Soares, garante que é uma possibilidade, mas critica o parlamentar petista:

"Quem determina o caminho é o presidente Lula, que já demonstrou vontade de apoiar a candidatura do prefeito, mas há uma ressalva à postura do Rogério de agressão a um político que apoiou Lula".

Mesmo sendo alvo de críticas, Fuad afagou Rogério na semana passada. Em agenda no antigo terreno do Aeroporto Carlos Prates, o prefeito compartilhou o mérito da concessão da área à União Federal com ele.

"Estivemos várias vezes com a União, eu e o deputado. Muito obrigado, deputado, pelo trabalho", disse.

Acompanhe tudo sobre:Belo HorizonteEleições 2024

Mais de Brasil

Tramonte lidera as intenções de voto para prefeitura de BH, aponta pesquisa Quaest

Quando volta o calor em São Paulo? Veja o que mostra previsão do tempo

Brasil e Itália defendem acordo entre Mercosul e UE 'o quanto antes'

Mais na Exame