• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

Barroso cita FHC, Lula, Dilma e Bolsonaro: "sem volta ao passado"

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral citou presidentes de espectros políticos divergentes eleitos e disse que eleições são livres, limpas e seguras
Roberto Barroso: ministro defendeu eleições e disse que não deve haver volta ao passado (Reuters/Ueslei Marcelino)
Roberto Barroso: ministro defendeu eleições e disse que não deve haver volta ao passado (Reuters/Ueslei Marcelino)
Por ReutersPublicado em 07/09/2021 11:38 | Última atualização em 07/09/2021 11:53Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, afirmou nesta terça-feira que o amor ao Brasil e à democracia une os brasileiros, sublinhando que não deve haver "volta ao passado", em postagem no Twitter a propósito do feriado de 7 de Setembro.

"Brasil, uma paixão. Brancos, negros e indígenas. Civis e militares. Liberais, conservadores e progressistas. Desde 88, a vontade do povo: Collor, FHC, Lula, Dilma e Bolsonaro. Eleições livres, limpas e seguras. O amor ao Brasil e à democracia nos une. Sem volta ao passado", disse ele.

Barroso é um dos principais alvos das críticas do presidente Jair Bolsonaro e de apoiadores nas manifestações pelo Dia da Independência.

O presidente do TSE é um opositor da adoção do voto impresso para urnas eletrônicas, proposta cara ao bolsonarismo que foi derrotada pelo plenário da Câmara recentemente.

O presidente do Congresso Nacional e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), também usou o Twitter para se manifestar sobre o 7 de Setembro, fazendo um alerta sobre a democracia.

"Ao tempo em que se celebra o Dia da Independência, expressão forte da liberdade nacional, não deixemos de compreender a nossa mais evidente dependência de algo que deve unir o Brasil: a absoluta defesa do Estado Democrático de Direito", destacou.

Pacheco está com o perfil trancado desde que rejeitou o impeachment do ministro Alexandre de Moraes - ele já havia fechado o Twitter em março deste ano após ataques.

 

Pacheco e o presidente da Câmara, Arthur Lira, não compareceram à cerimônia no Palácio da Alvorada em comemoração ao Dia da Independência.

Anfitrião da solenidade, Bolsonaro se deslocou à cerimônia de hasteamento da bandeira em Rolls Royce dirigido por Nelson Piquet. Antes da cerimônia, falou em live pelas redes sociais aos apoiadores e disse que não admitirá que "joquem fora das quatro linhas".