Brasil

Anvisa recomenda continuidade do uso da vacina da AstraZeneca

Diversos países europeus suspenderam o uso do imunizante nos últimos dias após casos isolados de hemorragia, formação de coágulos sanguíneos e baixa contagem de plaquetas em pessoas que receberam a vacina

 (Kay Nietfeld /DPA/Bloomberg)

(Kay Nietfeld /DPA/Bloomberg)

R

Reuters

Publicado em 16 de março de 2021 às 21h27.

Última atualização em 16 de março de 2021 às 21h27.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou a continuidade do uso da vacina AstraZeneca contra covid-19 no Brasil, após ter concluído que não houve alteração no equilíbrio do benefício-risco do imunizante em meio a relatos de efeitos adversos da vacina em países europeus nos últimos dias.

Em comunicado divulgado na noite desta terça-feira em que atualiza as informações sobre o monitoramento do caso, o órgão regulador brasileiro decidiu manter o uso do imunizante, que vinha sendo aplicado por meio de autorização emergencial e recebeu aval na semana passada da agência para uso definitivo.

Segundo a Anvisa, a conclusão sobre a vacina foi reforçada após a realização de reunião entre o órgão e autoridades regulatórias de vários países e também com a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

"A reunião com as agências internacionais foi feita no âmbito da Coalizão Internacional de Agências Reguladoras, que reuniu um total de 52 representantes de outras agências", disse a Anvisa.

"A discussão técnica apontou para a necessidade de apresentação de outros dados e o aprofundamento das investigações nos países que invocaram o princípio da precaução para suspender o uso da vacina Oxford/Astrazeneca", acrescentou.

A agência disse que monitora a situação de todas as vacinas em uso no país e ressaltou que o lote do imunizante da AstraZeneca que "deu início às suspensões feitas por alguns países não veio para o Brasil".

"Nas bases nacionais que reúnem os eventos ocorridos com vacinas não há registros de embolismo e trombose que tenha relação de causa com as vacinas contra a Covid-19", afirmou o órgão.

Diversos países europeus, incluindo os maiores membros da União Europeia -- Alemanha, França e Itália -- suspenderam o uso do imunizante nos últimos dias após casos isolados de hemorragia, formação de coágulos sanguíneos e baixa contagem de plaquetas em pessoas que receberam a vacina, à espera do desfecho de uma investigação da agência reguladora de medicamentos da UE sobre os casos.

Nesta terça-feira, a diretora-executiva da agência europeia EMA, Emer Cooke, disse que não há indicação de que os incidentes envolvendo a formação de coágulos, que ela chamou de "muito raros", foram causados pela vacina, a afirmou que os benefícios do imunizante continuam a superar os riscos. A investigação da agência continua, acrescentou.

Acompanhe tudo sobre:AnvisaAstraZenecaPandemiaSaúde no Brasilvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Brasil

G20 inicia nesta semana de encontros econômicos e sociais no Rio

Presença da Força Nacional é prorrogada por mais 30 dias no RS

BNDES divulga edital de concurso com salário inicial de R$ 20.900; veja detalhes

Pré-candidatos tentam evitar 'palavras-mágicas' para não serem punidos por campanha antecipada

Mais na Exame