• AALR3 R$ 19,68 -0.35
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,49 -0.30
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,25 13.33
  • AESB3 R$ 10,82 1.69
  • AGRO3 R$ 31,60 -1.43
  • ALPA4 R$ 21,91 0.50
  • ALSO3 R$ 19,82 0.66
  • ALUP11 R$ 26,28 0.11
  • AMAR3 R$ 2,34 4.93
  • AMBP3 R$ 29,70 -0.17
  • AMER3 R$ 23,80 3.25
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,59 3.90
  • ARZZ3 R$ 82,20 -0.35
  • ASAI3 R$ 15,33 -0.97
  • AZUL4 R$ 21,26 2.80
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,68 -0.35
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,49 -0.30
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,25 13.33
  • AESB3 R$ 10,82 1.69
  • AGRO3 R$ 31,60 -1.43
  • ALPA4 R$ 21,91 0.50
  • ALSO3 R$ 19,82 0.66
  • ALUP11 R$ 26,28 0.11
  • AMAR3 R$ 2,34 4.93
  • AMBP3 R$ 29,70 -0.17
  • AMER3 R$ 23,80 3.25
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,59 3.90
  • ARZZ3 R$ 82,20 -0.35
  • ASAI3 R$ 15,33 -0.97
  • AZUL4 R$ 21,26 2.80
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

5 coisas que já sabemos sobre a operação da PF contra Ricardo Salles

As investigações já provocaram o afastamento do presidente do Ibama e quebra de sigilo bancário de Salles. Veja o que deve acontecer agora e 5 aspectos já conhecidos
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, é alvo de operação da Polícia Federal (Exame/Leandro Fonseca)
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, é alvo de operação da Polícia Federal (Exame/Leandro Fonseca)
Por Carla AranhaPublicado em 20/05/2021 17:23 | Última atualização em 20/05/2021 18:33Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Um dia antes da deflagração da operação da Polícia Federal sobre a suposta participação do Ibama e do ministério do Meio Ambiente em um esquema de corrupção envolvendo madeireiras, o ministro Ricardo Salles recebeu EXAME para uma entrevista exclusiva no escritório do Ibama em São Paulo. “Com as mudanças nas instruções normativas (no Ibama), estamos tentando melhorar o modelo”, disse, quando perguntado sobre as polêmicas dass novas regras de fiscalização. Ele também falou sobre a atuação do crime organizado na Amazônia, que envolve o tráfico de madeiras e a mineração. Menos de 24 horas depois, o ministro se tornou alvo de um processo de investigação autorizado por Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), baseado em informações da PF. Veja, a seguir, os principais aspectos da operação.

A pandemia está mexendo com a economia e os negócios em todo o mundo. Venha aprender o que realmente importa na EXAME Invest Pro

O papel dos EUA na investigação

Autoridades americanas perceberam discrepâncias e falta de informações nos documentos apresentados pela empresa Tradelink, que extrai madeira no Pará, no processo de desembarque de três contêineres com produtos florestais no porto de Savannah, nos Estados Unidos, em janeiro do ano passado. A madeira foi exportada sem autorização do Ibama e ficou retida no porto americano. Um adido da Embaixada dos Estados Unidos em Brasília relatou o caso ao Ibama. Em fevereiro, o órgão ambiental brasileiro aboliu a necessidade de autorização especial para exportação de madeira nativa e informou os Estados Unidos sobre a decisão.

O alerta de corrupção

    A desconfiança de que a nova normativa do Ibama poderia ter sido criada para favorecer madeireiras que exploram ilegalmente os recursos naturais levou as autoridades americanas a procurar a Polícia Federal (PF).

    “À luz do exposto, o FWS [Serviço da Vida Selvagem e Pesca, órgão ambiental americano] tem preocupações com relação a possíveis ações inadequadas ou comportamento corrupto por representantes da Tradelink e/ou funcionários públicos responsáveis pelos processos legais e sustentáveis que governam a extração e exportação de produtos de madeira da região amazônica”, relataram os representantes da Embaixada americana em documento enviado à PF.

    A denúncia contra Ricardo Salles

    Segundo a PF, o presidente do Ibama, Eduardo Bim, afastado do cargo nesta quarta, 19, outros nove funcionários do órgão e o ministro Ricardo Salles, do meio ambiente, participavam de um esquema de corrupção montado para favorecer as madeireiras. Isso era feito, de acordo com a PF, por meio da minimização de exigências para o transporte e venda de produtos florestais. A PF investiga ainda a flexibilização da fiscalização ambiental e do processo da emissão de multas. Também pesa contra Salles a acusação de ter movimentado, de “forma atípica”, cerca de 14,1 milhões de reais entre janeiro de 2012 e junho de 2020 por meio do escritório de advocacia do qual é sócio.

    A defesa do ministro

    “Sempre estive à disposição para esclarecer quaisquer questões, assim como os demais citados nessa operação”, disse Salles em entrevista coletiva na quarta. “O ministério do Meio Ambiente atua sempre com respeito às leis e entendemos que esse inquérito foi expedido de uma forma que acabou levando o ministro relator a erro, dando impressão de que haveria uma ação concatenada para fazer o destravamento do que quer seja”. O ministro também revelou que se encontrou com o presidente Jair Bolsonaro na quarta e explicou não haver “substância nas acusações”.

    O que deve acontecer agora

    Bim e outros nove funcionários do Ibama e do ministério do Meio Ambiente foram afastados de suas funções. Além disso, foi decretada a quebra de sigilo bancário de todos os acusados, incluindo Salles. Também deverá ser analisado o material encontrado em computadores, celulares e apelada confiscada em endereços residenciais do ministro e na sede do ministério do Meio Ambiente. As investigações continuam.


    O podcast EXAME Política vai ao ar todas as terças-feiras. Clique aqui para seguir no Spotify, ou ouça em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.