A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Vírus do ebola teve mais de 300 mutações genéticas

Grupo de cientistas sequenciou e analisou 99 genomas do vírus

São Paulo - Como resposta ao maior surto de ebola da história, um grupo internacional de cientistas sequenciou e analisou 99 genomas do vírus. 

Com o estudo, publicado nesta sexta-feira, 29, na revista Science, foi possível rastrear a origem e transmissão do vírus no surto atual - informações que são essenciais para o desenvolvimento de vacinas, diagnósticos e tratamentos.

A pesquisa mostrou que o genoma do vírus atual tem mais de 300 modificações genéticas em relação às linhagens das epidemias anteriores da doença.

O estudo foi realizado pelo Broad Institute do MIT e Harvard, em colaboração com o Ministério da Saúde de Serra Leoa.

Cinco dos 58 autores do artigo da Science contraíram o vírus do ebola e morreram antes da publicação, entre eles o médico Sheik Humarr Khan, especialista na febre de Lassa - uma febre hemorrágica viral - do Centro Africano de Genômica de Doenças Infecciosas, Saúde Humana e Hereditariedade.

Primeiro surto

Segundo os autores, as linhagens de ebola atuais têm um ancestral comum com o primeiro surto da história, ocorrido em 1976.

Os pesquisadores traçaram o caminho de transmissão e as relações evolutivas das amostras, revelando que a linhagem atual divergiu da versão do vírus nos últimos dez anos.

Segundo eles, o surto de 2014 teve origem na Guiné e se espalhou por Serra Leoa, Libéria e Nigéria.

De acordo com o artigo, nas ocorrências anteriores, a exposição contínua a reservatórios virais, como morcegos infectados, contribuiu para a difusão da doença.

Mas, a partir das variações genéticas encontradas no vírus atual, concluiu-se que o surto de 2014 começou em uma única troca entre humanos, espalhando-se depois de pessoa para pessoa.

Os pesquisadores acham que o vírus foi para Serra Leoa a partir de duas linhagens do vírus originárias da Guiné. A possível fonte dessas linhagens foram 12 pessoas que participaram do funeral de um curandeiro na fronteira da Guiné, em maio.

Para chegar a essas conclusões, os cientistas estudaram amostras do vírus coletadas de 78 pacientes que foram diagnosticados com a doença em Serra Leoa nos primeiros 24 dias do surto.

Alguns pacientes contribuíram com mais de uma amostra - o que permitiu estudar a mudança do vírus em cada indivíduo no decurso da infecção.

Para caracterizar as cepas atuais, os cientistas utilizaram a tecnologia conhecida como "sequenciamento profundo", quando o procedimento é repetido inúmeras vezes para obter resultados de alta confiabilidade.

No estudo da Science, cada genoma foi sequenciado em média 2 mil vezes, conforme os autores do artigo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também