Tecnologia

Supercomputador japonês bate recorde e é o mais rápido do mundo

Máquina superou concorrentes americanos e chineses em velocidade de processamento de dados

Japão volta a ocupar a liderança do ranking de supercomputadores com a máquina instalada no Instituto Riken (Kyodo News/Getty Images)

Japão volta a ocupar a liderança do ranking de supercomputadores com a máquina instalada no Instituto Riken (Kyodo News/Getty Images)

RL

Rodrigo Loureiro

Publicado em 23 de junho de 2020 às 15h40.

Última atualização em 23 de junho de 2020 às 18h55.

O Japão tem o supercomputador mais rápido do planeta. Desenvolvido pelas empresas Riken e Fujistu, o modelo Fugaku performa em 415,53 petaflops e lidera o ranking Top500. Para efeito de comparação, o antigo líder da lista era o modelo americano Summit, fabricado pela IBM, com capacidade de processamento de 148,6 petaflops.

Com processadores Fujitsu A64F, o Fugaku encerrou a fila e voltou a colocar o Japão no topo do mercado de tecnologia — ao menos neste segmento. A máquina fica instalada na cidade de Kobe, no Instituto Riken, que realiza pesquisas científicas no país, e conta com capacidade de processamento 2,8 vezes maior do que seu rival direto.

Supercomputadores são diferentes de computadores comuns utilizados para tarefas cotidianas, como navegar a internet ou rodar jogos. As máquinas que medem o tamanho de salas inteiras são utilizadas para a realização de cálculos complexos que ajudam cientistas a quebrar códigos miliares, modelar mudanças climáticas e até auxiliar na criação de medicamentos e vacinas para o combate do coronavírus.

Para entender melhor a questão de velocidade é preciso explicar que o termo flops é um acrônimo utilizado na computação para a "Floating-pont Operations Per Second" (operações de ponto flutuante por segundo, na tradução direta). Já 1 petaflop equivale a 1 quatrilhão de flops ou 1.000 teraflops. Para efeito de comparação, o PlayStation 5, anunciado recentemente pela Sony, tem capacidade de executar 10,28 teraflops.

Ao longo dos últimos anos, a China e os Estados Unidos competiram pelo posto de supercomputador mais rápido do planeta. O Japão, por sua vez, não figurava na liderança do ranking desde o início da década. Além do Fugaku e do Summit, o pódio é completado por outra máquina da IBM, também instalada nos Estados Unidos. A quarta e a quinta posição ficam com supercomputadores chineses.

Mesmo assim, o Japão continua não sendo uma grande potência no segmento. Na lista dos 500 supercomputadores mais rápidos do mundo, o país tem apenas 29 supercomputadores. Enquanto isso, os Estados Unidos e a China têm 114 e 226 máquinas, respectivamente.

Supercomputadores brasileiros

O Brasil tem apenas quatro supercomputadores entre os 500 mais potentes do planeta. O mais bem colocado é o Atlas, na 57ª posição da lista. Utilizado pela Petrobras, a máquina processa 4,3 petaflops. Ou seja, quase 100 vezes menos do que o supercomputador japonês. Os outros supercomputadores brasileiros que ocupam a lista são o Fênix (82ª posição), o Santos Dummont (241ª) e o Ogbon Cimatec (396ª).

Acompanhe tudo sobre:Computação em nuvemComputadoresJapão

Mais de Tecnologia

Empresas chinesas obtêm primeira licença de demonstração de carros inteligentes sem motorista

Apple vê estagnação nas vendas de iPhone enquanto mercado global de smartphones cresce

TikTok impulsiona crescimento da cultura sul-coreana e alcança R$ 777 bilhões

Google deve comprar empresa de cibersegurança por US$ 23 bilhões, diz WSJ

Mais na Exame