Para o CEO do Twitter, as big techs têm poder demais. E precisam aprender com o bitcoin

Jack Dorsey acredita que o modelo adotado pelas criptomoedas na internet pode servir de exemplo para resolver os problemas das redes sociais

Para o CEO do Twitter, Jack Dorsey, as gigantes de tecnologia têm muito poder. Em uma série de tuites, Dorsey disse que tomou a decisão certa ao banir a conta do presidente republicano Donald Trump de sua rede social, mas, ao mesmo tempo, afirmou que “companhias privadas não devem ter tanto controle sobre a internet”. A solução para o problema? Ser mais como um bitcoin.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor

Ao todo, Dorsey fez 13 tuites. Em um deles, afirmou que o discurso online resultando em problemas reais requerem ações mesmo que um banimento de uma conta seja um divisor e “crie um precedente perigoso”: o de uma corporação ter poder sobre conversas públicas.

É por esses motivos que Dorsey afirma ter paixão pelo bitcoin – e acredita que o modelo usado pela moeda digital é um padrão a ser seguido também pelas redes sociais.

“O Bitcoin tem um bom modelo. É uma tecnologia fundada na internet que não é controlada ou influenciada por um único indivíduo ou por uma entidade. É isso que a internet quer ser e, ao longo do tempo, é isso que ela será”, disse. Dorsey também é CEO da companhia de pagamentos digitais Square, que comprou, recentemente, 50 milhões de bitcoins.

O CEO reconheceu que o Twitter precisa “olhar criticamente as inconsistências de suas políticas”, ao mesmo tempo em que afirmou que as plataformas sociais precisam ser mais transparentes na hora de moderar conteúdos.

“Acredito que tomamos a decisão certa, mas ter que banir uma conta tem ramificações reais e significantes. Enquanto existem exceções claras e óbvias, sinto que banimentos são falhas das próprias redes sociais de promoverem uma conversa saudável”, disse.

Durante os últimos meses, o republicano incitou seus apoiadores diversas vezes a tomar uma atitude em relação a vitória de Biden, que, para ele, não foi legítima. Na semana passada, duas publicações feitas no Twitter foram removidas por terem violado as regras da rede social e o presidente americano foi proibido de realizar publicações por 12 horas. Há cinco dias, a última gota fez o balde transbordar e Trump foi banido de vez da rede social de Dorsey.

As atitudes para descentralizar o poder das redes sociais na internet ainda não estão claras. Segundo Dorsey, ele ainda está contratando pessoas para ajudar nessa empreitada.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.