Novo Galaxy A7 tem recarga rápida de bateria e leitor de digitais

logo-infolab

São Paulo -- O smartphone Galaxy A7 é um dos dois novos dispositivos móveis da Samsung para o início de 2016. Ele conta com características de aparelho topo de linha e chega a lembrar bastante o Galaxy S6, que era o produto mais importante para a marca até a chegada do superior Galaxy Note 5, no segundo semestre do ano passado.

A família Galaxy A se posiciona, na visão da fabricante, acima da linha J e abaixo da linha S. Com isso, o A7 pertence ao topo da gama intermediária no portfólio de produtos mobile da Samsung. No entanto, ele tem recursos que só foram vistos antes nas linhas S e Note: leitor de impressões digitais para desbloqueio de tela e suporte à solução de pagamentos móveis Samsung Pay, que será lançada em breve no Brasil. Outra novidade está no quesito cores. Tanto o Galaxy A7 quanto o A5 serão vendidos no país em versões pretas, douradas e rosé (pink gold). Confira nossa análise sobre o smartphone a seguir.

Design

O visual de S6 é inegável. Enquanto os primeiros integrantes da linha Galaxy A, no ano passado, ditaram a tendência estética dos aparelhos mais caros que foram lançados em seguida, esse parece não ter sofrido grandes mudanças, nem deve ditar moda novamente.

O corpo do A7 é revestido de vidro Gorilla Glass 4 tanto na parte da frente quanto na de trás. As laterais têm proteção em metal, o que dá refinamento não visto na linha Galaxy J. Mas isso também faz com que marcas de manuseio apareçam com facilidade.

Um ponto de design oferece uma diferença marcante entre o S6 e o A7. Enquanto o primeiro pesa 138 gramas, o segundo tem 172 gramas. Apesar de parecer pouco, é fácil distinguir os modelos pelo peso.

O formato do A7 também é mais retangular e, portanto, um tanto menos ergonômico do que o S6. Isso é problemático, em especial, por causa do tamanho de sua tela.

O display Super Amoled desse smartphone da Samsung tem 5,5 polegadas, com resolução Full HD. Apesar de tela grande ser um fator favorável para ver vídeos e navegar na internet com experiência semelhante a de um tablet, o aparelho fica grande demais para ser levado no bolso -- no caso de pessoas que ainda estejam acostumadas a usar um dispositivo de 4,7 ou 5 polegadas.

Câmeras

O Galaxy A7 é um smartphone bom quando o assunto é fotografia. A câmera principal fotografa com 13 MP e tem flash LED e estabilização óptica. Este último item, por vezes, mal é notado pelo consumidor, mas é importante para evitar que as fotos saiam tremidas ou borradas.

O nível de detalhe registrado pela essa câmera é comparável (mas não superior) ao dos produtos mais premium da Samsung, como os S6 e o Note 5. Porém, este último ainda tem mais opções de ajustes finos, como regulagem da abertura do obturador.

Foto por: INFOlab

Foto por: INFOlab

Em situações com pouca iluminação, o A7 mostrou que consegue registrar imagens decentes, ainda que não sejam tão boas quanto as em locais claros.

Foto por: INFOlab

A câmera frontal do aparelho tira fotos em 5 MP e conta com os mesmos recursos de software da edição anterior. Ou seja, há um recurso de embelezamento de rosto, bem como a possibilidade de ativar um timer para a captura da foto com um aceno. O usuário pode fazer alguns ajustes pouco usuais, como aumentar a aparência das pupilas e afinar o rosto. É como um tratamento de imagem no Photoshop que acontece em tempo real e sem trabalho algum do usuário.

Foto por: INFOlab

Foto por: INFOlab

Os vídeos são capturados em Full HD e a estabilização óptica ajuda nesse ponto. Por exemplo, em uma apresentação musical, você pode filmar sem se preocupar muito com eventuais esbarrões de outros espectadores.

Bateria

A bateria do Galaxy A7 obteve um ótimo resultado no teste do INFOlab. O produto permaneceu ligado reproduzindo vídeos, com Wi-Fi e Bluetooth ativos e brilho de tela no máximo, durante 13 horas e 50 minutos. Com isso, ele fica somente 10 minutos abaixo do recordista do ranking do INFOlab, atrás apenas do Galaxy J7 (14h), também da Samsung, e à frente do Moto X Play, da Motorola/Lenovo (13h20).

No teste de recarga (o smartphone tem a tecnologia chamada de Fast Charging), o aparelho não se saiu tão bem assim. Foram necessárias 2 horas e 20 minutos para que a carga fosse de zero a 100% (com o dispositivo desligado). O S6 conseguiu esse feito em 1h30, enquanto o Moto Maxx o fez em 2 horas. Vale notar que o A7 tem bateria com capacidade de 3.300 mAh, o S6 tem 2.550 mAh, e o Moto Maxx, 3.900 mAh.

Configuração

O Galaxy A7 tem poder de fogo para brigar com smartphones de qualidade, como um Moto X Style ou um LG G4. Seu processador não é da Qualcomm, e, sim, da própria Samsung. Chamado Exynos tem oito núcleos de processamento, algo que ajuda a gerir melhor a energia da bateria.

A memória RAM do gadget é de 3 GB, enquanto o seu armazenamento interno é de 16 GB. Felizmente, há suporte para cartões microSD de até 128 GB -- algo que faz falta para todos os modelos topo de linha da Samsung (S6, S6 Edge, S6 Edge+ e Note 5).

Onde a Samsung cortou custos em relação aos seus produtos de primeiro escalão? O Galaxy A7 não tem Wi-Fi padrão ac, e, sim, N; sua câmera principal tem 13 MP e filma em Full HD, e não 16 MP com gravação em 4K; ele tem somente o leitor de impressões digitais, nada de medidor de batimentos cardíacos; e um último fato interessante: não há giroscópio.

Esse componente é o responsável por lidar com a orientação de tela. Quando viramos o celular de lado, é o giroscópio que dá instruções ao software para que o aparelho exiba uma interface adequada àquela situação.

A falta dele, porém, não se mostrou um grande problema nos testes do INFOlab.

O Galaxy A7, nessa versão 2016, é o primeiro produto abaixo da linha Galaxy S a vir com o leitor de digitais (junto com o A5). Isso facilita o dia a dia do usuário, seja para desbloquear a tela, seja para proteger seus arquivos no aplicativo criptografado My Knox, que é exclusivo da Samsung.

Nos benchmarks, aplicativos que medem desempenho computacional de smartphones, o Galaxy A7 se mostrou poderoso, apesar de ter tido problemas com o Vellamo, no desempenho para navegação na web.

Sistema

AnTuTu (em pontos) Barras maiores indicam melhor desempenho
Galaxy A7 40607
Galaxy J7 38545
Vellamo (em pontos) Barras maiores indicam melhor desempenho
Galaxy A7 1173
Galaxy J7 2734
Basemark OS II (em pontos) Barras maiores indicam melhor desempenho
Galaxy A7 775
Galaxy J7 761
Geekbench (em pontos) Barras maiores indicam melhor desempenho
Galaxy A7 3623
Galaxy J7 3671

O sistema Android Lollipop com a personalização de interface Touchwiz é bastante semelhante à que vimos nos aparelhos da Samsung nos últimos meses. Há os apps da Microsoft pré-instalados e poucos da própria empresa (os demais estão na Galaxy Apps).

Como sempre, a interface é bastante diferente da vista em dispositivos da família Nexus, que é do Google. Por exemplo, quando deslizamos a tela para a esquerda, encontramos um resumo de notícias do Flipboard -- o que não é encontrado nos aparelhos de nenhuma outra fabricante.

Para quem está acostumado com aparelhos da Samsung ou não liga para a pureza do software, a interface não é um problema. Agora, para os amantes do Android puro, certamente não será agradável ver o sistema do Google com tantas modificações.

Vale a pena?

O Galaxy A7 é um smartphone excelente. Porém, como a Samsung tem muitos modelos à venda, ele é facilmente superado pelo Galaxy S6, que tem mais recursos e pode ser encontrado por menos de 2.000 reais. Ainda assim, o A7 leva vantagem por ser mais novo e, por isso, (esperamos) deve estar nos planos de atualização do sistema Android da empresa. Ou seja, se de alguma maneira (acordos de operadoras ou promoções) você encontrar o Galaxy A7 por menos do que o preço sugerido pela Samsung, ele vale a pena. Caso contrário, o S6 é um melhor negócio para o consumidor. Uma coisa, talvez, possa ser de extrema importância para o usuário: o cartão microSD. Se esse for o seu caso, não há por que hesitar, o A7 é a melhor escolha do portfólio de produtos da Samsung. Claro que o LG G4 também é uma excelente opção, mas a bateria dele não é das melhores e, nesse ponto, aliás, o A7 se destaca mais do que todos os gadgets mencionados ao longo deste review.

Ficha técnica

Sistema operacional Android 5.1 Lollipop
Processador Exynos 7580
CPU 8x ARM Cortex-A53 de 1,60 GHz
GPU Mali-T720
Armazenamento 16 GB + microSD de até 128 GB
RAM 3 GB
Tela 5,5'' Full HD
Peso 172 gramas
Bateria 13h50
Câmeras 13 MP e 5 MP
Conexões 4G, Bluetooth 4.1, Wi-Fi 802.11 a/b/g/n, dual-band, WiFi Direct, hotspot, A-GPS, GLONASS/ BDS

Avaliação técnica

Prós Ótima duração de bateria; leitor biométrico; configuração respeitável
Contras Dual-chip híbrido (ou se usa dois chips ou um chip e um microSD)
Conclusão Smartphone indicado para quem gosta de fotografar e precisa de bateria para o dia todo
Configuração 7.5
Usabilidade 8.8
Foto 8.7
Bateria 9.0
Design 7.9
Média 8.4
Preço R$ 2.499

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.