A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Microsoft planeja trocar Edge por seu próprio "Chrome"

Empresa prepara novo navegador que usa o mesmo motor de renderização do Chrome, o Chromium

São Paulo — A Microsoft parece ter jogado a toalha com o navegador Edge, que vem instalado no Windows 10. Segundo reportagem do site especializado Windows Central, a empresa deve substituir o antigo browser por um novo baseado no motor de renderização Chromium, que é o mesmo usado pelo Google Chrome para carregar sites.

Não se sabe, no entanto, se o novo navegador, de codinome Anaheim, terá um novo nome ou se a Microsoft vai apenas trocar o mecanismo usado pelo Edge hoje. O sistema atual, chamado EdgeHTML, é de uso exclusivo da empresa. Trata-se de uma versão adaptada do velho Trident, que segue em uso no Internet Explorer. A diferença primordial entre os dois motores da companhia está no código legado do IE, que foi removido no navegador mais recente para torná-lo compatível com os padrões mais usados na web.

O novo projeto ainda não tem data de lançamento confirmada, mas engenheiros da Microsoft já foram "flagrados" no mês passado colaborando com a base de código do Chromium — que tem o código aberto. A expectativa é de que a primeira versão do novo navegador para PCs com Windows 10 chegue ainda no primeiro semestre de 2019.

Vale ressaltar que a novidade não deve afetar o Edge nos iPhones e nos Androids. Nos dois sistemas, o navegador usa motores diferentes do EdgeHTML. No do Google, inclusive, o browser é baseado no Chromium. No da Apple, por sua vez, o app usa o WebKit, que é o mesmo mecanismo por trás do Safari — e que já foi usado no Chrome.

É o fim da "guerra dos navegadores"?

A novidade pode gerar um desdobramento interessante no mercado de navegadores. Com a adoção do motor Chromium pelo Edge, duas das desenvolvedoras mais tradicionais de browsers passarão a usar uma mesma base em seus programas principais. Assim, ainda que o programa da Microsoft detenha apenas 2% do setor (dados de novembro da ferramenta de análise de tráfego StatCounter), o domínio do mecanismo, que hoje tem quase 65% do mercado, deve crescer.

O terço restante nesse ramo deverá ser dividido por Mozilla (Firefox), Apple (Safari) e Alibaba (UC Browser), um trio que ainda usa motores diferentes. Das três empresas, a segunda é a que está melhor posicionada, estável com cerca de 15% do setor na análise do StatCounter graças aos aparelhos da própria Apple (Macs, iPhones e iPads). Curiosamente, o Safari usa o mesmo mecanismo de renderização que era adotado pelo Chrome até 2013, o WebKit.

Já o Firefox,, que um dia foi a segunda força nessa "guerra dos navegadores", hoje detém apenas 5% do mercado com seu motor Gecko. É pouco mais do que o ocupado pelo chinês UC Browser, que usa a U3 Engine e chegou perto dos 10% há cerca de um ano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também