Tecnologia

Jack Dorsey, CEO do Twitter, deixa o cargo

Parag Agrawal, que atua como CTO desde 2017 e está no Twitter há mais de uma década, vai assumir o cargo

A saída de Dorsey marca o fim de sua segunda passagem como CEO no Twitter (Anushree Fadnavis/Reuters)

A saída de Dorsey marca o fim de sua segunda passagem como CEO no Twitter (Anushree Fadnavis/Reuters)

Isabela Rovaroto

Isabela Rovaroto

Publicado em 29 de novembro de 2021 às 13h13.

Última atualização em 29 de novembro de 2021 às 13h51.

O Twitter anunciou nesta segunda-feira, 29, que o cofundador Jack Dorsey não será mais o CEO da empresa. Parag Agrawal, que atua como CTO desde 2017, está no Twitter há mais de uma década, vai assumir o cargo. Ele estava encarregado da estratégia envolvendo inteligência artificial.

“O Twitter, Inc. anunciou hoje que Jack Dorsey decidiu renunciar ao cargo de diretor-executivo e que o conselho de administração nomeou por unanimidade Parag Agrawal como CEO e membro do conselho, com efeito imediato”, diz a empresa em um comunicado.

As ações do Twitter sobem mais de 3% na bolsa americana Nasdaq após notícia da possível saída do CEO Jack Dorsey. Nos primeiros negócios do dia, os papéis dispararam até 9%, enquanto os papéis da empresa de pagamentos Square, que também é comandada por Dorsey, subiram 3%.

“Decidi deixar o Twitter porque acredito que a empresa está pronta para seguir em frente com seus fundadores”, disse Dorsey em um comunicado, embora não tenha fornecido nenhum detalhe sobre por que decidiu renunciar.

A saída de Dorsey marca o fim de sua segunda passagem como CEO na rede social. Ele sai em um momento em que o Twitter ganhou as manchetes por seu ritmo renovado de lançamento de produtos, após anos de críticas de que o site ficou para trás de rivais maiores como Facebook e novo aplicativos de mídia social como o TikTok em inovação.

Dorsey foi cofundador do Twitter em 2006 e tornou-se CEO no ano seguinte.

Em 2008, o cofundador Ev Williams e o membro do conselho Fred Wilson expulsaram Dorsey quando a rede social ganhou fôlego com os usuários e eles determinaram que ele era inadequado para liderar a empresa.

Mas depois de anos de crescimento estagnado e queda no preço das ações, Dorsey voltou a ser CEO em 2015, continuando a liderar a Square.

No início de 2020 , Dorsey enfrentou apelos da Elliott Management Corp. para deixar o cargo, depois que o fundo de hedge argumentou que ele estava prestando muito pouca atenção ao Twitter enquanto dirigia a Square Inc.

Dorsey se defendeu da pressão dando a Elliott e sua aliada, a firma de aquisições Silver Lake Partners, assentos no conselho do Twitter.

Acompanhe tudo sobre:CEOsTwitter

Mais de Tecnologia

Uber apresenta instabilidade no app nesta sexta-feira

Zuckerberg diz que reação de Trump após ser baleado foi uma das cenas mais incríveis que já viu

Companhias aéreas retomam operações após apagão cibernético

O que faz a CrowdStrike, empresa por trás do apagão cibernético

Mais na Exame