Tecnologia

Greenpeace: madeireiras fraudam exportação da Amazônia

Os desmatadores mentiriam sobre número de espécies raras e da altura das árvores em áreas de preservação

Desmatamento (Getty Images)

Desmatamento (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de maio de 2014 às 14h02.

A organização não-governamental Greenpeace exortou importadores de madeira de países como a França e a Bélgica a suspenderem as compras de matérias-primas provenientes da Amazônia. O grupo ambientalista acusa os produtores de madeira do Brasil de fraudar documentos que garantem a legalidade do abate de árvores. As autorizações são um pré-requisito para o ingresso da madeira na Europa.

De acordo com o relatório divulgado pela ONG nesta quinta-feira, 15, em Paris e no Rio, madeireiras brasileiras manipulam planos de manejo com o objetivo de "lavar" a origem ilegal do produto, extraído de reservas ambientais que deveriam ser conservadas. Os desmatadores mentiriam sobre número de espécies raras e da altura das árvores em áreas de preservação, fraudando os inventários florestais. Com os documentos em mãos, é possível exportar madeira para a Europa obedecendo o novo quadro regulamentar do bloco econômico, que desde março de 2013 exige a traçabilidade da madeira. Na prática, 78% da madeira exportada entre agosto de 2011 e julho de 2012 teria origem ilegal.

"A investigação que fizemos prova que os importadores não fizeram o que a legislação europeia exige, o Deal Diligence. Os documentos podem corresponder a madeira ilegal", disse ao jornal "O Estado de S. Paulo" Jérôme Frignet, coordenador da campanha Florestas do Greenpeace na França, que reclamou da inação do poder público no Brasil e na Europa. "A legislação europeia considera que o Brasil não é um país de risco. Mas a documentação que em teoria legaliza a madeira importada pode facilmente ser burlada."

O Greenpeace anunciou ter protocolado uma denúncia no Ministério Público do Pará, na Secretaria de Meio Ambiente do mesmo Estado e no Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Além disso, a ONG exortou os governos da França e da Bélgica, os dois maiores importadores europeus de madeira do Brasil, a aprimorar os mecanismos de controle sobre a madeira extraída da Amazônia.

"A indústria da madeira colocou em prática muitas técnicas para transportar e vender madeira abatida ilegalmente graças a documentos oficiais. A partir de então os importadores não podem ter certeza sobre a legalidade da madeira que eles compram", afirmou à agência de notícias belga Jonas Hulsens, responsável pela campanha no Greenpeace da Bélgica.

A divulgação do relatório, realizado a partir de dois anos de investigação, segundo a ONG, veio acompanhada do lançamento de uma campanha "Chega de madeira ilegal", contra o tráfico na Amazônia.

Acompanhe tudo sobre:AmazôniaDesmatamentoINFOMeio ambiente

Mais de Tecnologia

Empresas chinesas obtêm primeira licença de demonstração de carros inteligentes sem motorista

Apple vê estagnação nas vendas de iPhone enquanto mercado global de smartphones cresce

TikTok impulsiona crescimento da cultura sul-coreana e alcança R$ 777 bilhões

Google deve comprar empresa de cibersegurança por US$ 23 bilhões, diz WSJ

Mais na Exame