• AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
  • AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
Abra sua conta no BTG

Goiânia pode ter apagão da telefonia móvel

De acordo com sindicato das operadoras,a Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) da capital do Goiás, quer desligar 130 antenas das prestadoras de telecomunicações
Homem falando no celular: ao menos metade da população local pode ficar sem acesso ao serviço (Spencer Platt/Getty Images/AFP)
Homem falando no celular: ao menos metade da população local pode ficar sem acesso ao serviço (Spencer Platt/Getty Images/AFP)
Por Da RedaçãoPublicado em 31/07/2012 08:39 | Última atualização em 31/07/2012 08:39Tempo de Leitura: 1 min de leitura

São Paulo - Goiânia pode sofrer um apagão da telefonia móvel, caso a Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) leve a cabo sua decisão de desligar 130 antenas das prestadoras de telecomunicações na região.

Caso isto ocorra, ao menos metade da população local ficará, por tempo indeterminado, sem acesso ao serviço, alerta o SindiTelebrasil. “Além de exigir licença ambiental de um serviço que não polui e não causa danos ao meio ambiente, a legislação municipal de Goiânia impõe outras dificuldades à expansão dos serviços de telefonia celular, com a obrigação descabida de atualizar a cada dois anos essa licença onerosa”.

Na capital de Goiás, existem ao menos 261 estações radiobase (ERBs) e, se a medida for adotada, “trará grande impacto negativo para a população, especialmente para aquelas pessoas que precisam do celular no trabalho, como médicos, taxistas, hotéis e restaurantes, por exemplo. Sem falar nas chamadas para serviços de emergência, como polícia e corpo de bombeiros”.