Gmail permitirá fazer chamada para telefone

Recurso será liberado nos próximos dias, inicialmente para usuários dos Estados Unidos

São Paulo – Em 2004, o Gmail surgiu como um serviço de webmail do Google. Um ano depois, passou a agregar uma janela de chat, para conversas instantâneas. Em 2008, um plugin passou a permitir conversas em vídeo e voz direto da mesma página. Nos próximos dias, o usuários poderão fazer ligações para telefones fixos e celulares a partir do Gmail, sem que o interlocutor precise ter cadastro no serviço ou estar conectado à internet.

A novidade começará a ser disponibilizada a usuários dos Estados Unidos a partir dos próximos dias e o Google ainda não dá uma previsão de quando o serviço estará disponível para o restante do mundo. O novo recurso concorrerá diretamente com aplicativos com o Skype, que pertence ao eBay, e o engenheiro de software do Google Robin Schriebman ressalta que a equipe “trabalhou duro para fazer as tarifas realmente baratas”. Ligações para qualquer linha que opere nos Estados Unidos ou no Canadá serão gratuitas até o fim do ano. E no caso de chamadas feitas telefones fixos do Brasil, por exemplo, as taxas variam de US$ 0,02 a US$ 0,04.

No caso das ligações cobradas, o usuário precisará ter uma conta no serviço Google Voice e créditos disponíveis. O Google Voice, que ainda não está disponível para usuários brasileiros, é um aplicativo que, além de permitir chamadas, identifica o usuário com um número de telefone por meio do qual é possível também receber ligações direto do computador.

No caso do serviço de chamadas pelo Gmail, o usuário também poderá vincular sua conta do Google Voice, podendo, assim, também receber ligações dentro do webmail.

O serviço será liberado aos poucos entre os norte-americanos, que poderão identificar se já tem o recurso disponível na janela de chat do Gmail. Um botão “Call phone” (chamar telefone” aparecerá no topo da lista de contatos.

Confira o vídeo de divulgação do recurso:

Leia outras notícias sobre o Google

Siga as notícias de Tecnologia do site EXAME no Twitter

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.