• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Foodtechs já levantaram US$ 1,7 bi e empregam quase 30 mil, aponta estudo

Dados são relativos à América Latina em pesquisa feita pela Pepsico e Endeavor, que avaliou as principais companhias foodtech do continente
 (Divulgação/NotCo)
(Divulgação/NotCo)
Por Thiago LavadoPublicado em 26/10/2021 17:53 | Última atualização em 29/10/2021 10:57Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Se os alimentos a base de plantas e sem produtos de origem animal são o que geralmente chamam atenção quando fala-se do mercado de tecnologia e alimentação, um novo estudo mostra que ele é bem mais complexo que isso.

Um estudo realizado pela Endeavor em parceria com a Pepsico mapeou as principais empresas do setor na América Latina, identificando o quanto já foi levantado, quantas pessoas empregam e onde estão as foodtech.

De acordo com o levantamento, foram identificadas 323 empresas que atuam no setor em 5 países: Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e México, alguns dos principais mercados consumidores do continente.

Dessas, a pesquisa coletou informações de 102 startups e scaleups e concluiu que o total arrecadado já passa de 1,7 bilhão de dólares desde 2011, em uma indústria que emprega 29.000 pessoas. As principais categorias de atividade identificadas foram logística e gerenciamento de dados, seguida por vendas e produtos saudáveis, naturais ou orgânicos.

Ainda segundo a pesquisa, os principais trabalhos do setor estão vinculados a um grupo de 24% das companhias analisadas, que foram capaz de crescer e empregar mais de 50 pessoas. Essas empresas representam atualmente 83% da geração de emprego no mercado de foodtech.

Das startups da região, é mais comum que a expansão internacional aconteça em países como Chile e Argentina, em que 52% e 49%, respectivamente, das empresas ampliaram seus negócios a outros países. O Brasil é o que tem o menor índice nesse sentido: apenas 15% das foodtechs locais buscaram outros mercados. A barreira linguística e a dominância de um mercado consumidor grande podem ajudar a explicar o movimento.

Um dado importante que atesta o crescimento da área diz respeito ao período em que os principais aportes no setor aconteceram: foram 206 rodadas de capital, com 64% tendo sido realizada entre este ano e o ano passado, mostrando que as startups latinas vêm chamando atenção global.

Do total captado, quase metade, cerca de 828 milhões de dólares, foram para empresas localizadas no Brasil.