Claranet compra Mandic e planeja mais aquisições após receber US$ 100 mi

Já são 30 aquisições realizadas pela subsidiária brasileira desde 2012. Com o negócio, Claranet passa a ter receita de mais de 250 milhões de reais
 (Claranet/Divulgação)
(Claranet/Divulgação)
R
Rodrigo Loureiro

Publicado em 19/04/2021 às 12:00.

Última atualização em 19/04/2021 às 16:37.

A Claranet, multinacional inglesa focada em tecnologias de computação em nuvem e cibersegurança, está adquirindo com o controle da Mandic, empresa brasileira que atua em processos de transformação digital para o setor corporativo. O valor do negócio não foi revelado, mas a transação faz com que a subsidiária brasileira da Claranet passe a ter receita anual de 250 milhões de reais.

Fundada em 1990, a Mandic já atendeu mais de 5.000 clientes de diversos países. Destaque para gigantes como Visa, Burger King, iFood, Samsung, Natura, Carrefour, Schneider Electric, Nubank, entre outros. No comando estava o executivo Maurício Cascão. Ele será integrado ao quadro de funcionários da Claranet.

Ao longo de mais de três décadas, a Mandic recebeu algumas injeções de capital de investidores. Os valores são mantidos em sigilo, mas sabe-se que um dos apoiadores é a Riverwood Capital, fundo de capital de risco que também já investiu em startups brasileiras como Vtex, Pixeon, Conductor e RD Station. Com a aquisição, a Riverwood terá participação minoritária na Claranet Technology S/A.

Edivaldo Rocha: diretor executivo da Claranet diz que empresa deve realizar mais aquisições em breve (Claranet/Divulgação)

A compra da Mandic fez com que a Claranet triplicasse sua receita em 18 meses. Este ganho exponencial se deve tanto ao aumento da demanda por conta dos efeitos da pandemia do coronavírus como às compras feitas nos últimos meses. Em agosto do ano passado, houve a compra da Corpflex, que atua com computação em nuvem. Ao todo já são 30 aquisições desde 2012.

“A Mandic estava no radar há algum tempo e era uma aquisição que fazia sentido para a operação. Não se trata de ganhar receita com a compra, até porque a nossa filosofia é baseada no crescimento orgânico no negócio”, afirma Edivaldo Rocha, executivo que comanda as operações da Mandic no Brasil.

Ao menos mais duas aquisições podem ser feitas ainda neste ano, durante o segundo semestre. Isso porque a operação brasileira da Claranet recebeu, em fevereiro deste ano, um investimento de 100 milhões de dólares da matriz inglesa com o objetivo de acelerar o crescimento da companhia no Brasil e na América Latina. A operação brasileira é a quarta maior em todo o planeta, segundo a empresa.

IPO no caminho?

Uma futura abertura de capital da subsidiária brasileira da Claranet também está horizonte. Em entrevistas anteriores, Rocha chegou a afirmar que o plano era realizar um IPO entre o fim de 2022 e o primeiro trimestre de 2023, inclusive alguns banqueiros já estavam sendo contatados para a realização do processo.

Em entrevista para a EXAME, Rocha afirmou que “há muitas empresas abrindo capital no Brasil nos últimos meses”, mas que “é preciso analisar o cenário com cautela”. O executivo afirmou que este não é o foco no momento, mas não descartou uma nova captação de recursos, agora no mercado aberto, possa ser feita num futuro não tão distante.

Veja Também

FSB se une à JotaCom e prevê faturar R$ 400 milhões
Um conteúdo Bússola
Há 6 horas • 5 min de leitura

FSB se une à JotaCom e prevê faturar R$ 400 milhões

FSB se une à JotaCOM e prevê faturar R$ 400 milhões
Negócios
Há 10 horas • 4 min de leitura

FSB se une à JotaCOM e prevê faturar R$ 400 milhões