Tecnologia
Acompanhe:

Autoridades dos EUA querem bloquear compra da Activision pela Microsoft

A compra teve início em 18 de janeiro de 2022 com uma oferta de US$ 68,9 bilhões (em torno de R$ 360 bilhões) e, desde então, tem sido avaliada por órgãos de regulamentação do mundo todo

Activision Blizzard bloqueada: FTC investiga se o negócio é justo para a concorrência (Patrick T. Fallon/Bloomberg/Getty Images)

Activision Blizzard bloqueada: FTC investiga se o negócio é justo para a concorrência (Patrick T. Fallon/Bloomberg/Getty Images)

A
AFP

9 de dezembro de 2022, 08h56

A agência reguladora da concorrência nos Estados Unidos, conhecida pela sigla FTC, recorreu à Justiça nesta quinta-feira, 8, para tentar bloquear a compra, por parte da Microsoft, da empresa de videogames Activision Blizzard, avaliada em 69 bilhões de dólares.

Se a operação de compra da desenvolvedora do bem-sucedido Call of Duty for concretizada, "a fabricante do Xbox obteria o controle de franquias de primeira ordem, o que lhe permitiria prejudicar a concorrência [...] rejeitando ou prejudicando o acesso de concorrentes a seus conteúdos populares", assinalou a Federal Trade Commission em comunicado.

Fique por dentro das MAIORES inovações digitais que já estão em curso no mercado agro  e que vão transformar profundamente o seu negócio.

A agência argumenta que, depois de adquirir uma desenvolvedora de jogos eletrônicos menor, a ZeniMax, empresa-matriz da Bethesda Softworks, a Microsoft decidiu reservar para si a exclusividade de jogos como Starfield mesmo depois de garantir para as autoridades europeias de concorrência que não tinha nenhum interesse em deixar de distribuir os jogos em consoles de competidores.

A Activision, que conta com 154 milhões de usuários ativos mensais no mundo e produz alguns dos títulos mais emblemáticos do setor de games, "é um dos raros desenvolvedores de jogos eletrônicos no mundo que cria e distribui títulos de alta qualidade para múltiplos sistemas, em particular consoles, PCs e dispositivos móveis", ressaltou a FTC.

"Continuamos pensando que este acordo vai aumentar a concorrência e vai criar mais oportunidades para os jogadores e os desenvolvedores de jogos", afirmou, por sua vez, um porta-voz da Microsoft em mensagem à AFP, na qual enfatizou que o grupo propôs concessões à FTC.

No início de novembro, a Comissão Europeia - o órgão executivo da União Europeia - anunciou a abertura de uma investigação "em profundidade" sobre a proposta de compra da Activision Blizzard por parte da Microsoft e os possíveis efeitos dessa operação sobre a concorrência no segmento de jogos eletrônicos.

VEJA TAMBÉM: A nova chance da Blizzard: com Overwatch 2, a desenvolvedora tenta se reaproximar do público gamer