Apple e Linux proíbem termos ligados ao racismo na programação

Palavras como "escravo", "mestre" e "lista negra" foram banidas pelas empresas

Apple e Linux decidiram banir termos associados ao racismo de seus códigos de software. O movimento histórico antirracista ganhou novo fôlego com a morte de George Floyd, nos Estados Unidos, que gerou uma onda global de manifestações por igualdade racial.

Com a iniciativa das empresas, algumas palavras muito comuns em códigos de programação serão substituídas.

“Escravo” passa a ser “secundário”; “mestre” passa a ser “primário”; “lista negra” passa a ser “lista de bloqueios”; “lista branca” passa a ser “lista de permissões”.

Linus Torvalds, da Linux Foundation, foi o primeiro a adotar essa prática, em 10 de junho. A Apple iniciou o movimento de transição de terminologias em 22 de junho. Twitter, Microsoft, Google e GitHub adotam termos similares em seus códigos de programação de software.

 

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE