Revista Exame
Acompanhe:

Novo momento das startups pede novas abordagens — e melhores ferramentas

Novos momentos pedem novas abordagens — e melhores ferramentas

Escritório do Flickr, em São Francisco: movimentação em situações adversas (Paul Chinn/The San Francisco Chronicle/Getty Images)

Escritório do Flickr, em São Francisco: movimentação em situações adversas (Paul Chinn/The San Francisco Chronicle/Getty Images)

I
Ivan Padilla

12 de dezembro de 2022, 06h00

Você certamente tem acompanhado as demissões em massa em empresas consideradas referência em inovação. Para ficar em um exemplo, a Meta, dona do Facebook, desligou recentemente 11.000 funcionários. Existe um contexto para isso. Na tentativa de conter a inflação, os bancos centrais têm subido as taxas de juro, fechando as torneiras de venture capital. A migração dos investimentos para ativos menos voláteis atingiu negócios baseados em estratégias de crescimento agressivo. E os unicórnios abriram espaço para uma nova fauna.

Em 2020, o investidor Alex Lazarow escreveu pela primeira vez sobre as startups camelo, que adotam uma abordagem de longo prazo. Já Caterina Fake, investidora e cofundadora do Flickr, falou sobre a startup barata, que se movimenta em condições adversas. Com particularidades, esses modelos convergem em um mesmo ponto: a sustentabilidade financeira para garantir sobrevivência em tempos difíceis. Apesar do aparente cenário negativo, o chamado “inverno das startups” tem afetado mais o mercado late stage. Para quem está começando, a mudança é pequena, porque o investidor pensa lá na frente. O investimento em geral está menor — mas em média os cheques das rodadas iniciais ficaram mais gordos

Novos momentos pedem novas abordagens — e melhores ferramentas. A saúde das startups passa cada vez mais pelo uso de programas e softwares de gestão de relacionamento com o cliente, que alinham os esforços das áreas de marketing, vendas e atendimento. Sistemas assim costumavam ser exclusividade de empresas maiores por exigir grandes servidores, data centers e equipes de TI. Não mais. A popularização da nuvem democratizou o acesso à tecnologia para as pequenas e médias empresas — e certamente vai ajudá-las a atravessar com mais segurança os períodos de estiagem.


(Publicidade/Exame)


(Publicidade/Exame)


(Publicidade/Exame)


(Publicidade/Exame)