Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

"Na prática, já vivemos um racionamento", diz Goldemberg

O apagão do início de fevereiro foi um sinal de que há uma grave sobrecarga no sistema elétrico brasileiro, na avaliação do físico e ex-ministro de Ciência e Tecnologia José Goldemberg

São Paulo - O consumo de energia está crescendo por uma orientação do governo de ampliar o acesso da população a eletrodomésticos e a outros bens. Mas os investimentos para elevar a oferta de energia não têm acompanhado essa expansão.

“O resultado é que o sistema elétrico está estressado”, diz o físico José Goldemberg, professor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo e ex-ministro das pastas de Ciência e Tecnologia e Meio Ambiente de 1990 a 1992. O pior: “Não há solução de curto prazo”, afirma ele. “Por ora, é rezar para que chova.”

1) EXAME - Qual a sua avaliação sobre o apagão de 4 de fevereiro, que afetou 13 estados?

José Goldemberg - É um sinal grave de sobrecarga do sistema elétrico. Não tenho dúvida disso. O consumo está crescendo e não tem sido acompanhado das obras de infraestrutura necessárias. Então o sistema está estressado e no limite.

2) EXAME - Qual o motivo para essa situação?

José Goldemberg - A demanda por energia cresce rapidamente por uma orientação ideológica. O governo enfatizou o consumo das populações de baixa renda nos últimos anos. Não tenho objeção a isso, mas do jeito que está sendo feito leva a distorções.

3) EXAME - Mas o investimento no setor tem crescido, certo?

José Goldemberg - O investimento não está sendo feito corretamente. O governo entendeu que precisa atrair o setor privado com os leilões para geração. Só que, até recentemente, todas as fontes competiam entre si.

Quem vencia sempre eram as hidrelétricas — o que é até bom, por serem mais baratas e poluírem menos. Mas elas sobrecarregam o sistema de transmissão, porque normalmente estão longe do local que abastecem.

Outro problema é que os leilões são nacionais, mas deveriam ser regionais, para haver um tipo de geração que seja vantajosa — como a eólica no Nordeste, onde venta bastante, e a por biomassa em São Paulo, onde há muito bagaço da produção de cana-de-açúcar.

4) EXAME - Qual o problema da transmissão de energia?

José Goldemberg - Falta de manutenção. As linhas de transmissão são de responsabilidade do governo — só agora ele tem passado um pouco para a iniciativa privada. Eu fui presidente de uma empresa de energia e, dentro da cultura do setor, a manutenção não tem o mesmo prestígio da construção de usinas.

A solução está em gerar mais energia, fazer leilões de forma correta e construir hidrelétricas com reservatórios para dar mais segurança ao sistema. Os ambientalistas vão reclamar, e o governo terá de gerir isso.

5) EXAME - Há risco de racionamento de energia?

José Goldemberg - Já estamos vivendo um racionamento na prática. É só ver as explicações oficiais depois do apagão: cortou-se a energia de um lugar e abasteceu-se aquele considerado mais importante. O operador do sistema fez muito bem. Mas isso mostra que o sistema cresceu desordenadamente.

6) EXAME - Qual a diferença entre a reação do governo atual e a que houve no racionamento em 2001 e 2002?

José Goldemberg - Naquela época, houve propaganda oficial para as pessoas apagarem as luzes e reduzirem o consumo. Desta vez, isso, que poderia ajudar muito, não está sendo feito.

7) EXAME - O que esperar daqui para a frente?

José Goldemberg - Se não chover dentro de um ou dois meses, os problemas vão se agravar. E aí não há solução para o curto prazo. O mais recomendável a fazer agora é rezar para que chova.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também