Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Lixão da moda? 40 mil toneladas de roupas se acumulam no Atacama

Mesmo que acessíveis, as peças "fast-fashion" podem ser extremamente prejudiciais ao meio ambiente

Muitas — mas muitas — roupas não usadas estão sendo descartadas no deserto do Atacama, no Chile, formando o que se assemelha a um cemitério de fast-fashion.

Segundo um relatório da AFP, a enorme montanha de roupas consiste em peças feitas na China e em Bangladesh que chegam às lojas nos Estados Unidos, Europa e Ásia. Quando as peças não são compradas, são levadas ao porto de Iquique, no Chile, para serem revendidas a outros países da América Latina.

De acordo com o relatório, cerca de 59.000 toneladas de roupas acabam no porto do Chile todos os anos. Desse total, pelo menos 39.000 toneladas são levadas para aterros no deserto.

Milhares de peças de roupas descartadas no deserto do Atacama, no Chile.

Milhares de peças de roupas descartadas no deserto do Atacama, no Chile. (MARTIN BERNETTI/Getty Images)

Alex Carreno, um ex-funcionário da seção de importação do porto de Iquique, disse à AFP que as roupas "chegam de todas as partes do mundo". Carreno acrescentou que a maior parte das roupas é descartada posteriormente, quando os carregamentos não podem ser revendidos para toda a América Latina.

As roupas usadas levadas aos montes do deserto para descarte agora cobrem uma faixa inteira de terra no deserto do Atacama, em Alto Hospicio, Chile.

“O problema é que a roupa não é biodegradável e tem produtos químicos, por isso não é aceita nos aterros municipais”, afirmou Franklin Zepeda, fundador da EcoFibra, ao Business Insider. A empresa de Zepeda tenta aproveitar as roupas descartadas para fabricar painéis de isolamento, utilizando resíduos têxteis para criar isolantes térmicos e acústicos.

A moda rápida (conhecida como fast-fashion), embora acessível, é extremamente prejudicial ao meio ambiente.

Vista aérea da montanha de roupas que está tomando conta de parte do deserto do Atacama, no Chile.

Vista aérea da montanha de roupas que está tomando conta de parte do deserto do Atacama, no Chile. (MARTIN BERNETTI/Getty Images)

Por um lado, a indústria da moda é responsável por 8 a 10% das emissões mundiais de carbono, de acordo com a ONU. Em 2018, a indústria da moda também consumiu mais energia do que as indústrias de aviação e navegação juntas. Os pesquisadores estimam que o equivalente a um caminhão de lixo de roupas é queimado e enviado a um aterro a cada segundo.

E a velocidade com que os consumidores compram roupas não parece ter diminuído no século 21. De acordo com estatísticas da Ellen McArthur Foundation, uma instituição de caridade de economia circular com sede no Reino Unido, a produção de roupas dobrou durante 2004 a 2019. A McKinsey também estimou que o consumidor médio comprou 60% mais roupas em 2014 do que eles fez em 2000.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também