Pop

Guardiola na seleção brasileira? CBF oferece R$ 61 milhões, diz jornal

Jornal espanhol diz que a CBF já teria iniciado uma rodada de negociação com Pere Guardiola, irmão e empresário de Pep

 (Chloe Knott - Danehouse / Colaborador/Getty Images)

(Chloe Knott - Danehouse / Colaborador/Getty Images)

Drc

Da redação, com agências

Publicado em 7 de abril de 2022 às 10h04.

Última atualização em 7 de abril de 2022 às 10h09.

A CBF está focada, neste ano, na campanha em busca do hexacampeonato mundial na Copa do Mundo do Qatar. Mas, segundo o jornal espanhol "Marca", a confederação já vislumbra um futuro mais adiante, precisamente após a saída do técnico Tite. E começa a se movimentar para que seu sucessor seja o catalão Pep Guardiola, hoje à frente do Manchester City.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

O atual técnico da seleção brasileira Tite já anunciou que deixará o cargo após a Copa. De acordo com a publicação espanhola, o plano é encabeçado por Ednaldo Rodrigues, novo presidente da CBF, eleito no mês passado. O cartola e alguns de seus pares teriam se reunido recentemente para alinhar que o nome ideal para substituir Tite é o de um estrangeiro e que ninguém melhor que Guardiola.

O "Marca" indica que a CBF já teria iniciado uma rodada de negociação com Pere Guardiola, irmão e empresário de Pep. A oferta envolve uma proposta de pouco menos de quatro anos, até a Copa do Mundo de 2026, a ser realizada nos Estados Unidos, Canadá e México. O salário seria de 12 milhões de euros (R$ 61,6 milhões), inferior aos 20 milhões de euros (R$ 102,7 milhões) que o catalão recebe hoje no City.

 

 

Acompanhe tudo sobre:Copa do MundoEsportesFutebol

Mais de Pop

'Capitão América: Admirável Mundo Novo' ganha trailer com Harrison Ford e data de estreia

Angela Merkel como detetive? Série de comédia mostra face inusitada da ex-chanceler

'Divertida Mente 2' se torna a maior bilheteria da Pixar; confira ranking geral

Quem é o herdeiro do homem mais rico da Ásia — e que terá casamento de R$ 3,2 bilhões

Mais na Exame