Pop
Acompanhe:

Carnaval 2023 em SP: veja quais regras mudam para os blocos de rua neste ano

Para desfilar, os blocos precisam de autorização da prefeitura e devem respeitar todas as regras da secretaria

Carnaval de SP: as inscrições aconteceram entre 31 de outubro e 20 de novembro (Felipe Beltrame/NurPhoto via Getty Images/Getty Images)

Carnaval de SP: as inscrições aconteceram entre 31 de outubro e 20 de novembro (Felipe Beltrame/NurPhoto via Getty Images/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

19 de janeiro de 2023, 18h11

O Carnaval 2023 — primeiro "Carnaval de verdade" desde 2020, quando começou a pandemia do coronavírus — está chegando e com ele os blocos de rua, que têm se tornado cada vez mais tradicionais na capital paulista.

Para melhorar a logística e a segurança, a Secretaria Municipal de Cultura, responsável pelo planejamento e produção operacional do carnaval de rua, estipulou algumas novas regras para a folia neste ano.

A secretaria informou que as avenidas Engenheiro Luiz Carlos Berrini e Tiradentes estarão de fora dos trajetos dos blocos. "Em relação à Berrini, a decisão se dá pelo fato de a via ser muito estreita. Já na Avenida Tiradentes, a razão é que já há um novo dia de desfile no Sambódromo", disse. Além disso, foi adicionado ao trajeto a Rua da Laguna, em Santo Amaro, na zona sul.

Em relação aos horários, assim como em 2020, os blocos encerram as apresentações de maneira escalonada. No entanto, o horário máximo para o encerramento do desfile e o desligamento dos equipamentos de som passou a ser às 18h, com dispersão total do público até as 19h. Antes, o horário máximo era às 19h.

O Carnaval acontece oficialmente entre os dias 17 e 22 de fevereiro, mas existirão blocos pré-folia e pós (em 25 e 26). Até então, estão confirmados 507 blocos no carnaval de rua — a lista completa está disponível no Diário Oficial. Outros blocos estão em análise e uma terceira lista será publicada em breve, informou a prefeitura.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Regras para os blocos

Para desfilar, os blocos precisam de autorização da prefeitura e devem respeitar todas as regras da secretaria. As inscrições aconteceram entre 31 de outubro e 20 de novembro.

"Os blocos, no ato da inscrição, manifestam seu desejo de participação no carnaval de rua 2023 da cidade de São Paulo, usufruindo dos benefícios previstos, como subsídio para pagamento de taxas da CET, apoio com infraestrutura de banheiros e limpeza pública, entre outros", afirma a secretaria.

O locais e os horários de desfile dos blocos são sugeridos pelos próprios organizadores e avaliados de acordo com uma série de fatores. Não são aceitos blocos novos nas subprefeituras com maior quantidade de desfiles, por exemplo, como as da Lapa, Pinheiros, Sé e Vila Mariana.

Os blocos inscritos que já tiveram desfiles aprovados em anos anteriores têm prioridade em manter o seu local, trajeto e data tradicionais.

Entre os critérios para a aprovação do local estão:

- Condições da via: pavimento, calçamento, fiação, mobiliário urbano;

- Restrições físicas do local: entradas e saídas de garagem, locais com risco de queda, como pontes e viadutos, proximidade de hospitais e muros longos que impeçam rota de fuga;

- Funcionamento do comércio local: é preciso respeitar os interesses comunitários;

- Restrições de zoneamento: áreas hospitalares e áreas estritamente residenciais são proibidas.

- Além disso, são analisados o tamanho do público esperado, tamanho do trio elétrico e o horário do desfile, levando em conta as características de cada bairro.

Trios elétricos

Os carros de som e os trios elétricos permitidos para o carnaval de rua em SP devem ter altura máxima de 4,40 m e largura de até 2,60 m. O comprimento permitido é de até 14 m para veículos simples e 18,60 m para articulados.

Todos os veículos devem apresentar documento adequado à sua classe e estarem regulamentados para funcionarem nesse tipo de evento. Além disso, o isolamento do público é obrigatório nos desfiles com trios e deverá ser feito por cordas que abranjam todo o perímetro em volta do conjunto de veículos.

"As equipes de isolamento na corda deverão manter resguardada a distância mínima entre os veículos e o público durante todo o deslocamento do bloco, de 1 metro nas laterais e 3 metros à frente e atrás do conjunto de veículos", diz a secretaria.

A regra de segurança do público muda de acordo com o tamanho do bloco:

- Até 5 mil pessoas: cordeiros a cada 2 metros, sem obrigatoriedade de bombeiro civil e segurança;

- Entre 5 mil e 20 mil pessoas: cordeiros a cada 2 m, 1 bombeiro civil, 2 seguranças, equipe de produção com no mínimo 3 membros;

- Entre 20 mil e 40 mil pessoas: cordeiros a cada 2 m, 2 bombeiros civis, 4 seguranças, equipe de produção com no mínimo 5 membros;

- Mais de 40 mil pessoas: apresentar Plano de Operação do Bloco para o desfile, considerando segurança, resgate, isolamento, orientação de público e equipe de produção.