• BVSP 129.259,49 pts -0,6%
  • USD R$ 5,0556 +0,0102
  • EUR R$ 6,0627 -0,0550
  • ABEV3 R$ 19,13 +0,00%
  • BBAS3 R$ 35,77 +0,76%
  • BBDC4 R$ 28,11 +0,61%
  • BRFS3 R$ 29,21 -2,86%
  • BRKM3 R$ 56,68 -1,24%
  • BRML3 R$ 11,35 -1,73%
  • BTOW3 R$ 70,94 -1,84%
  • CSAN3 R$ 24,87 -1,74%
  • ELET3 R$ 44,76 +0,29%
  • EMBR3 R$ 20,35 -4,82%
  • Petróleo US$ 73,77 -0,83%
  • Ouro US$ 1.818,90 -2,28%
  • Prata US$ 27,25 -2,04%
  • Platina US$ 1.119,90 -1,93%

Startup que transforma carbono em ração animal recebe aporte da Total

A empresa britânica Deep Branch criou uma tecnologia que transforma CO2 em proteína, reduzindo a necessidade de extrair matérias-primas do meio ambiente; petroleira se une a investidores em aporte de US$ 8 milhões

A startup britânica Deep Branch garantiu fundos de investidores como a a gigante francesa de petróleo Total para seu plano de transformar emissões de dióxido de carbono em alimentos para galinhas, peixes e suínos.

A empresa usa um processo de fermentação semelhante à vinificação ou decapagem, mas os micróbios se alimentam de CO₂ e hidrogênio em vez de açúcares. O resultado é um produto com 70% de proteína chamado Proton, que pode substituir as rações convencionais para gado, como farinha de peixe e soja. A dependência da indústria agrícola dos dois ingredientes foi associada ao esgotamento dos estoques de peixes selvagens e causou o desmatamento em grande escala.

“Podemos ter preços competitivos com esses ingredientes sem prejudicar o planeta”, disse o diretor-presidente da Deep Branch, Peter Rowe, em entrevista. “Além de ser uma forma de produzir proteína sem precisar de terras agrícolas e desmatamento ou pesca excessiva, a pegada de carbono total disso também é extremamente pequena.”

A Deep Branch disse na terça-feira que levantou 8 milhões de euros (9,5 milhões de dólares) para um projeto piloto de expansão de sua tecnologia. O fundo de investimento Novo Holdings e a DSM Venturing lideraram a rodada de financiamento, que também incluiu o Barclays Sustainable Impact Capital. Isso eleva o financiamento da empresa para cerca de 13 milhões de euros.

A startup é uma das várias que usam tecnologia de fermentação para desenvolver proteínas mais sustentáveis. A Air Protein, dos EUA, e a Solar Foods, da Finlândia, trabalham na conversão de gases em alimentos, enquanto na Índia, a String Bio recicla metano em proteína para animais.

A Deep Branch diz que seu processo produz 90% menos emissões de carbono do que teria sido gerado por métodos agrícolas tradicionais. A maior parte de suas emissões se deve ao uso de amônia, que fornece o componente de nitrogênio de suas proteínas. Atualmente, a amônia é normalmente produzida a partir do gás natural em um processo intensivo em carbono, mas empresas buscam maneiras para fabricar o gás sem causar emissões.

A Deep Branch também desenvolve rações aquáticas com a Biomar Holding e rações para aves com a AB Agri. Uma fábrica em escala comercial está planejada na Europa para 2023.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.