TruePay, fintech de crédito, agora é Tino e quer se aproximar do pequeno varejo

Fintech anuncia novo nome e mudança em seu principal produto, de crédito para pequenos varejistas
Luis Eduardo Cascão e Pedro Sônego de Oliveira, fundadores da TruePay: fintech muda de nome para atingir mais PMEs (TruePay/Divulgação)
Luis Eduardo Cascão e Pedro Sônego de Oliveira, fundadores da TruePay: fintech muda de nome para atingir mais PMEs (TruePay/Divulgação)
M
Maria Clara DiasPublicado em 13/09/2022 às 10:00.

A TruePay, fintech dedicada ao pequeno varejo, está de cara nova. Nesta terça-feira, a startup anunciou mudança de nome, posicionamento e, consequentemente, seu principal produto: o crédito para lojistas a partir dos recebíveis de cartão.

A TruePay agora passa a se chamar Tino, numa clara referência ao chamado "tino empreendedor", característica marcante do público-alvo primário da fintech fundada em 2020 pelos investidores Pedro Sônego de Oliveira e Luis Eduardo Cascão.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

Com a mudança, a Tino agora reconfigura também o seu principal produto. Até o momento, a fintech atuava na conversão dos recebíveis de cartão de crédito em meio de pagamento para pequenos comerciantes interessados em mais capital de giro para o pagamento de fornecedores e para manter estoques em dia. Agora, os recebíveis ganham nova função, sendo apenas uma garantia para as operações de credito financiadas pela startup.

Na prática, os recebíveis de cartão (antecipações das vendas feitas a prazo), só serão acessados pela Tino caso o varejista não faça os pagamentos de seus empréstimos em dia. Já o pagamento das parcelas poderão ser feitos por meio de outros métodos como boleto e Pix, caminhos mais familiares aos lojistas.

Por que a TruePay mudou de nome?

Segundo os fundadores, a mudança do produto vem após um longo processo que já acontece há meses, e que envolveu conversas com clientes em diferentes grupos focais para entender o melhor posicionamento, nome e produto. "Entendemos que os recebíveis, como forma de pagamento, atrapalhavam o lojista. Mas nossa missão sempre é a de ajudar, desde o início”, explica Sônego, CEO da empresa.

Se de um lado há uma mudança que inclui até mesmo a troca do nome da empresa, de outro está uma análise cuidadosa da mensagem repassada por ele. Para Cascão, a troca de nome surgiu de uma necessidade que observaram, já que clientes não assimilavam o termo em inglês à solução da TruePay, além de bagunçarem a gestão financeira com as antecipações. Hoje, a empresa tem cerca de 10.000 clientes.

Agora, a intenção é estar mais próximo e dialogar melhor com este público. "O objetivo é primeiro educar a base para dentro e garantir que os clientes entendam o valor dessa mudança de marca e da evolução do produto”, diz. “A ideia é colocar o empreendedor como protagonista nas suas decisões”.

História da TruePay

Fundada em 2020 por Pedro Sônego de Oliveira e Luis Eduardo Cascão, a TruPay (agora Tino) nasceu para solucionar uma dor comum de pequenos lojistas: o excesso de burocracias enfrentadas na hora de acessar linhas de crédito e a relação morosa entre esses profissionais e seus fornecedores.

Diante desse cenário, a TruePay desenvolveu um modelo de negócio que permite aos varejistas pagarem seus fornecedores usando os recebíveis de cartão de crédito. A startup, que fechou o ano de 2021 com dois aportes — uma rodada seed e outra Série A, somando cerca de R$221 milhões de reais captados — agora passará a oferecer linhas de crédito tradicionais, e os recebíveis passarão a ser apenas garantia nas operações.

VEJA TAMBÉM

Trace Finance já trouxe ao Brasil R$ 1,5 bi captados por startups lá fora. Como? Spreads baixíssimos

Startup do Ceará quer triplicar base de clientes e faturar R$ 17 milhões em 2022