Negócios

Startup das verduras "feias", foodtech Diferente capta novos R$ 16 milhões

Startup paulista concluiu extensão de rodada de investimento iniciada em março de 2022; total captado é de R$ 40 milhões

Paulo Monçores, Saulo Marti e Eduardo Petrelli, sócios da Diferente: R$ 40 milhões em rodada seed (Diferente/Divulgação)

Paulo Monçores, Saulo Marti e Eduardo Petrelli, sócios da Diferente: R$ 40 milhões em rodada seed (Diferente/Divulgação)

Prestes a completar um ano de operação, a foodtech Diferente conseguiu esticar suas captações e trazer novos 16 milhões de reais em rodada tipo seed concluída nesta terça-feira. Em março de 2022, a startup havia captado 24 milhões de reais. Com o novo investimento, o montante levantado pela empresa chega aos 40 milhões de reais.

O aporte foi liderado por antigos investidores da Diferente, responsáveis pela última injeção de capital feita na empresa, há menos de 1 ano. São eles:

  • Caravela Capital (líder da rodada)
  • Collaborative Fund
  • South Ventures
  • Valor Siren Ventures, em sua primeira aposta na América do Sul

O que faz a Diferente

Aberta em janeiro de 2022 pelos empreendedores Eduardo Petrelli, Saulo Marti, Paulo Monçores e Walter Rodrigues, a Diferente criou um modelo que pretende eliminar um dos principais problemas da cadeia de abastecimento global: o desperdício exorbitante de alimentos – atualmente, 30% dos vegetais produzidos nas lavouras não chegam aos mercados, indica a FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura).

Para isso, a startup vende frutas e verduras fora do padrão considerado perfeito para as gôndolas dos supermercados. É o caso de itens danificados, de superfície amassada ou com algum "machucadinho" — mas igualmente apetitosas.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

Como é o modelo de negócio

A Diferente funciona como um clube de assinaturas no qual usuários pagam de forma recorrente para receberem suas cestas de frutas, legumes e verduras orgânicas em casa  a cada uma ou duas semanas. São itens produzidos por produtores certificados.

Do lado financeiro, a grande vantagem para os compradores está nos preços bem abaixo da média praticada pelo mercado. De acordo com a empresa, as cestas podem custar até 40% menos. Já do ponto de vista social, a Diferente pretende facilitar a geração de renda por parte de agricultores familiares, além de democratizar o acesso da população a alimentos orgânicos — via de regra, bem mais caros que o usual.

“Nós queremos dar acesso e facilitar muito a vida das pessoas. A ideia não é apenas oferecer os alimentos mais frescos e mais baratos, mas também através de uma experiência única, na qual o cliente nem precise pensar no que quer receber para receber a cesta ideal. Os novos recursos serão fundamentais para continuarmos acelerando de forma eficiente e consciente”, diz Eduardo Petrelli, CEO da Diferente.

O que a empresa fará com o dinheiro

A nova captação vem para consolidar os planos da foodtech de aprimorar seus recursos de tecnologia e inteligência artificial que indicam as preferências, restrições alimentares e recorrência de compra dos assinantes. “Nosso algoritmo leva em consideração as preferências e restrições do cliente e a recorrência de cada item para montar a cesta perfeita. Além disso, usamos inteligência artificial para entender, orientar e melhorar a produção dos fornecedores, indicando o que devem plantar a partir das tendências de consumo”, explica Petrelli.

Em outra frente, o aporte irá ajudar a startup a tocar seus planos de expansão. Em julho de 2022, a Diferente abriu um novo centro de distribuição logística e já antecipava planos de ampliar a distribuição para além da Grande São Paulo — além da capital, a empresa atua no ABC Paulista, Osasco, Barueri, Santana de Parnaíba, Carapicuíba, Itapevi e Jandira.  Agora, com o aporte, a intenção é acelerar essa estratégia. “Estamos estudando o mercado, mas a ideia é expandir a nossa atuação para outras regiões em breve”, afirma.

Quais são os planos da Diferente

Com o investimento em expansão regional e melhorias tecnológicas, a Diferente está otimista com o futuro. Em 2023, a meta da foodtech é alcançar a margem de contribuição positiva e, até o fim de 2024, faturar mais de 150 milhões de reais.

Para chegar ao resultado, a empresa tem alguns projetos na manga. O primeiro deles é lançar um aplicativo, além de incluir novas categorias de itens à venda. A empresa também deve dar novo fôlego à estratégia de personalização de cestas com machine learning a partir de dados de preferência dos usuários.

Da porta para dentro, o capital deve impulsionar contratações, especialmente nas áreas de tecnologia e operações. Neste ano, a Diferente pretende aumentar o time de 75 pessoas em até 30%.

VEJA TAMBÉM

Acompanhe tudo sobre:AlimentosEmpreendedorismoStartupsVenture capital

Mais de Negócios

10 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Mukesh Ambani: quem é o bilionário indiano que vai pagar casamento de R$ 3,2 bilhões para o filho

De vendedor ambulante a empresa de eletrônicos: ele saiu de R$ 90 mil para mais de R$ 1,2 milhão

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Mais na Exame