Com lucro recorde, Petrobras vendeu R$ 30 bi em ativos em 2021

Valor ajudou petroleira principalmente a reduzir dívida; em 2020, ela terminou em 76 bilhões de dólares, agora é de 59
Plataforma de petróleo: empresa tem focado em extração no pré-sal, de onde vem 70% do petróleo da empresa (MAURO PIMENTEL/AFP/Getty Images)
Plataforma de petróleo: empresa tem focado em extração no pré-sal, de onde vem 70% do petróleo da empresa (MAURO PIMENTEL/AFP/Getty Images)
Por Victor SenaPublicado em 26/02/2022 10:25 | Última atualização em 26/02/2022 11:54Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O lucro recorde de 106 bilhões de reais da Petrobras em 2021 é o grande destaque do balanço financeiro anual da empresa divulgado nesta semana, mas não é o único.  

A petroleira, que é a maior empresa brasileira, reduziu sua alavancagem para 1,1x (medida que calcula em quantos anos a dívida de uma organização será paga) devido principalmente à venda de seus ativos.

Em 2021, foram 22 vendidos, como a BR Distribuidora, a Refinaria Landulpho Alves e diversos campos de petróleo pouco vantajosos.

Agora, a BR Distribuidora se chama Vibra, enquanto a Refinaria Landulpho Alves (RELAM) foi comprado por um fundo árabe.

Outras seis refinarias estão na fila de venda, e esse é o projeto mais ambicioso de desinvestimentos da empresa, que quer (e precisa, segundo um acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica) abrir mão do monopólio do refino de petróleo no país. A refinaria Isaac Sabbá (REMAN) já teve a assinatura da venda concluída, mas o processo deve ser computado apenas no balanço deste ano de 2022.

Os 22 ativos efetivamente vendidos contabilizaram 30 bilhões de reais. O valor informado pela companhia no balanço financeiro foi de 5,51 bilhões de dólares, que a um câmbio médio de 5,40 reais durante o ano, segundo a empresa, dão cerca de 30 bilhões.

É importante destacar que a venda de ativos não tem uma relação direta com o lucro, mas sim com a redução do endividamento.

O lucro recorde da empresa foi gerado principalmente com o crescimento da receita de vendas. Isso porque o barril de petróleo disparou e as vendas de derivados também subiram com a retomada economia depois de medidas menos restritivas.

Desde o plano estratégico de 2015, pós operação Lava Jato, a empresa tem focado principalmente em investir na exploração e produção de petróleo mais rentável, no pré-sal. 

Para isso, outros negócios têm sido descontinuados desde a gestão de Pedro Parente, comandante da empresa na época do ex-presidente Michel Temer.

A ideia por trás da estratégia da Petrobras é se manter competitiva em um cenário futuro em que o petróleo pode ficar mais barato, já que as energias renováveis batem à porta.

Ao mesmo tempo, a empresa também precisou reduzir custos saindo de negócios com alta margem de operação para ajudar a reduzir o endividamento.

Poços de petróleo pouco produtivos, principalmente em águas rasas e terrestres têm sido vendidos pela empresas desde 2020 e negócios relacionados à distribuição, refino, energia, gás natural também.

O foco é o pré-sal, onde o custo da extração do barril foi de apenas 2,7 dólares em 2021. Em terra, esse custo é de 14 dólares, segundo dados divulgados pela empresa no último balanço financeiro. Hoje, o pré-sal corresponde a 70% da produção da empresa.

“Quando você vende campos rasos e terrestres, por exemplo, você tem menos margem, tem menos custo e aí você tem ganhos indiretos no balanço, tem reflexos indiretos. Essas vendas de campos foram importantes para baixar o endividamento. A Petrobras tinha que atingir 60 bilhões de dólares de endividamento no fim de 2022 e conseguiu atingir isso 18 meses antes”, explica Ilan Albertman, analista de petróleo da Ativa Investimento.

Hoje, a dívida bruta da empresa é de 59 bilhões de dólares.

Em 2021, o EBITDA (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da empresa foi de 234,1 bilhões. Segundo Ilan, mais que a receita e o lucro líquido, esse valor representa o quanto a empresa tem se mostrado saudável financeiramente, principalmente por ter apostado no pré-sal.

Na lista do que foi efetivamente vendido pela Petrobras em 2021 está a participação nos seguintes empreendimentos:

Ativos de distribuição, refino, energia e gás natural

  • Distribuídora PUDSA, no Uruguai
  • BR Distribuidora
  • Usinas térmicas Breitener 
  • Bsbios (Empresa de biodiesel)
  • Térmica e hidrelétrica CEM e TEP
  • GasLocal (Empresa de Gás Natural)
  • Eólicas Mangue Seco 1, 2, 3 e 4
  • NTS (Transportadora de Gás Natural)
  • Refinaria Landulpho Alves
  • 3 usinas termelétricas Polo Camaçari

Ativos de exploração e produção

  • Campo de Frade
  • Campos terrestres P.Cricaré 
  • Campos terrestres P. Miranga
  • Campos terrestres P.Remanso-BA
  • Lapa
  • Dó-Ré-Mi e Rabo Branco
  • P. Rio Ventura

No começo de 2022, a empresa também conseguiu vender campos em terra do Polo Alagoas

Outros ativos já tiveram a assinatura feitas, mas ainda não foram fechadas e a empresa deve receber a principalmente parte do pagamento ao longo de 2022.

Além da refinaria REMAN, vendida em 2021 por 189 milhões de dólares, e que já foram contabilizados 28 milhões no balanço, outros ativos já fechados para 2022 são os campos terrestres Potiguar e Ventura, no Nordeste, e a Gaspetro, empresa de gás natural.