• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Rússia e Ucrânia podem desencadear uma guerra mundial? Entenda o conflito 

Conflito entre Rússia e Ucrânia é reflexo de embates históricos — e pode refletir na estabilidade política em todo o mundo
 (Getty Images/ALEKSEY FILIPPOV/AFP)
(Getty Images/ALEKSEY FILIPPOV/AFP)
Por Carolina RiveiraPublicado em 25/01/2022 06:00 | Última atualização em 25/02/2022 15:03Tempo de Leitura: 9 min de leitura

O esperado aconteceu nesta quinta-feira. A Rússia invadiu a Ucrânia com ataques aéreos e terrestres e exigindo a rendição de Kiev. A Ucrânia decretou lei marcial e afirmou que vai ceder armas a todos os cidadãos que queiram se unir ao exército para defender o país.

O ataque fez com que os temores de uma guerra mais ampla se transformem em realidade. O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, afirmou que a ofensiva russa "deve parar agora". "Presidente Putin, em nome da humanidade, leve de volta as tropas à Rússia", disse. A União Europeia e os Estados Unidos condenaram o ataque "injustificável".

A dúvida número um no momento é sobre o quão longe o Ocidente irá para além de sanções contra a Rússia anunciadas nos últimos dias, uma vez que a Ucrânia não é membro da Otan. Entenda abaixo o histórico da crise entre Rússia e Ucrânia e as raízes do conflito atual.

A herança da Crimeia

A tensão entre Ucrânia e os russos não vem de hoje. A crise mais recente estourou após a anexação da Crimeia, então território ucraniano, pela Rússia, em 2014. Os conflitos na fronteira leste da Ucrânia deixaram 14.000 mortos nesses sete anos. 

“Na prática, já há uma guerra acontecendo desde então”, explicou em janeiro Maurício Santoro, professor do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). 

Mas os riscos escalaram de vez com o avanço das tropas russas nos últimos meses, vistas pela Ucrânia como clara ameaça à independência do país.

O governo ucraniano, como mostra a fala de Laputina, tenta convencer as potências do Ocidente de que uma invasão russa seria um problema para a estabilidade de toda a Europa e do mundo.

Treinamento de civis em Kiev: preparação para o combate em caso de invasão russa (Sean Gallup/Getty Images)

 

Já a decisão do governo de Vladimir Putin — um ex-espião e declaradamente saudoso dos tempos de União Soviética — de ir adiante com as tropas é uma estratégia para mostrar força no tabuleiro global, como já ocorreu no episódio da Crimeia.

Em novembro de 2013, protestos varreram a Ucrânia exigindo maior integração europeia (movimento que ficou batizado de "Euromaidan"). Sob pressão popular e internacional, o Parlamento depôs o então presidente pró-Rússia, o que Putin viu como uma afronta. Em resposta, o Kremlin apoiou separatistas na Crimeia, onde já vivia numerosa população de origem russa, o que se desdobrou na anexação da região.

“Mas o que mudou, agora, é esse tamanho da ambição russa com relação à Ucrânia”, diz Santoro. “Há sete anos, o objetivo era anexar um território que era estratégico para a Rússia. O que vemos hoje é uma escalada da crise para um objetivo mais amplo, que significa definir quais vão ser as esferas de influência na Europa Oriental, onde vai passar essa linha.”

Por que a Ucrânia é disputada

A Ucrânia tem sido, desde o fim da Guerra Fria, uma fronteira entre a influência das democracias liberais da Europa e a Rússia. 

O território que hoje é a Ucrânia chegou a ser parte do antigo Império Russo. Depois, em 1919, virou uma república da União Soviética (URSS). Com o colapso do bloco, a Ucrânia selou de vez a independência em um acordo de 1994, sendo, portanto, uma democracia ainda muito jovem. 

Na outra ponta, sem a URSS, a Otan e a União Europeia passaram a agregar nos anos 1990 e 2000 muitos países que eram zona de influência soviética na chamada Europa Central. Assim, países como os Bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia), República Tcheca, Hungria, Polônia, Eslovênia e Eslováquia se tornaram membros — a contragosto da Rússia.

Mas a Ucrânia ficou no meio do caminho. Movimentos de aproximação com a União Europeia e a Otan foram feitos ao longo dos últimos anos, além dos protestos populares de 2013 e também em 2004. Não há, no entanto, uma visão coesa no país sobre esse movimento. Enquanto a porção oeste (onde fica a capital Kiev) anseia obter os padrões europeus, a parte leste ainda se vê mais próxima dos russos. 

Protesto em Kiev, na Ucrânia

Protesto com bandeiras da União Europeia em Kiev, em 2013: divisão de opiniões na Ucrânia (Gleb Garanich/Reuters)

As demandas da Rússia

A Rússia exige, portanto, que a Otan pare sua expansão rumo aos países do leste, e acusa a aliança de estar “cercando a Rússia”. 

Outro ponto sensível foi a exigência de que a Otan não posicione tropas em territórios que não pertenciam à aliança em 1997 — ou seja, antes de incluir muitos dos ex-aliados soviéticos, que ficariam, assim, desprotegidos no caso de avanços russos. 

Além disso, a crise ucraniana virou agora teste para toda a política internacional, incluindo para a China, outra superpotência em rota de embate com os EUA. O resultado em Kiev mostrará o quanto as potências ocidentais estão dispostas a se arriscar para defender aliados como Taiwan (que se separou da China em 1959 e depende em grande parte da ajuda da Otan).

A China é a maior parceira comercial da Ucrânia e grande compradora de grãos e carne, de modo que interessa a Pequim uma estabilidade no país, diz Santoro, da Uerj. 

"Os chineses estão sendo muito discretos quanto à essa crise. Mas há uma relação de muita proximidade entre China e Rússia, ainda que não seja uma aliança militar formal", diz. "E os chineses estarão observando para ver até onde os EUA irão."

Poster com o rosto de Putin usado como alvo por tropas da Ucrânia: conflitos no exterior são comuns na estratégia do presidente russo (ANATOLII STEPANOV/AFP/Getty Images)

A real força da Rússia

No tênue jogo da diplomacia e da Defesa, aceitar as demandas russas poderia ser visto como um sinal de fraqueza das potências ocidentais. Outro risco é que o mesmo cenário da Crimeia possa se desenrolar em mais regiões do leste da Ucrânia, também com grande número de russos étnicos. “Existe nesses lugares o que alguns têm chamado de ‘russificação da Ucrânia’, com muitos russos tendo se mudado para essas regiões, incentivados pelo próprio governo Putin”, diz Demétrius Cesário Pereira, professor de Relações Internacionais do Centro Universitário Belas-Artes.

Além disso, para o Ocidente, o temor é de que a Rússia possa não parar apenas na Ucrânia. Os membros da Otan que são partes da antiga zona de influência soviética ficam, também, sob risco. 

Politicamente, as desavenças no exterior são uma das estratégias de Putin para manter sua popularidade e relevância dentro e fora da Rússia. 

Nos últimos anos, Putin se envolveu em conflitos que foram de apoiar regimes aliados em Cazaquistão e Belarus contra manifestantes à guerra civil na Síria (onde apoiou o ditador Bashar al-Assad). Dentro de casa, também tem dobrado a aposta contra a oposição. Em 2020, saiu vitorioso em um questionado referendo que o permitirá ficar no poder até 2036.

Antony Blinken e Sergey Lavrov, secretários de Estado de EUA e Rússia: reunião no dia 21 não trouxe resultados claros (ALEX BRANDON/POOL/AFP/Getty Images)

Em entrevista anterior à EXAME, a cientista política russa Lilia Shevtsova, autora do livro A Rússia de Putin, apontou como o presidente usa “um conflito político atrás do outro” para se “re-energizar” com o eleitorado. E para realçar sua principal força – a militar – para o resto do mundo. 

Embora Putin tenha saído com algumas vitórias do episódio da Crimeia, também perdeu ao receber uma série de sanções que pioraram a vida dos russos e levaram a economia a uma recessão entre 2014 e 2015. Longe do poderio da antiga URSS, a Rússia tem hoje economia menor que a brasileira, e depende majoritariamente das exportações de petróleo e gás.

 

Soldados da Ucrânia em Donetsk: trincheiras na fronteira ucraniana (ANATOLII STEPANOV/AFP/Getty Images)

O "racha" na Otan

Os Estados Unidos têm se mostrado mais engajados - tanto na fase das ameaças russas quanto na real efetivação dos ataques à Ucrânica, nesta quinta-feira. Mas as reações são mistas dentro da Otan. 

A Alemanha, onde 40% do gás natural vem da Rússia, tem sido historicamente reticente em tomar posições mais duras, tanto militares quanto em sanções financeiras, por temor de uma crise energética. O país também foi criticado pelo governo da Ucrânia por não fornecer armas à resistência ucraniana. 

“Em muitas situações há essa discordância entre EUA e União Europeia, e dentro da própria União Europeia”, diz Pereira, da Belas-Artes.

“Alguns países europeus dependem muito mais da energia produzida pela Rússia”, diz, citando que países como Espanha e França são menos dependentes e tendem a ter falas mais duras.

Painel com os dizeres "Sem guerra" (em inglês) em Berlim (janeiro de 2021): reações mistas na Otan sobre como responder contra Rússia (Sean Gallup/Getty Images)

Antes da invasão efetiva da Ucrânia, os principais acenos contra Moscou na Europa vieram não da União Europeia, mas do Reino Unido (que, vale lembrar, deixou o bloco após o Brexit).

Isso acontece por alguns motivos: envolto em uma crise interna após ir a uma festa durante o lockdown britânico, faz bem ao premiê Boris Johnson tentar voltar a atenção dos eleitores para o exterior. Além disso, o ilhado Reino Unido está menos exposto à Rússia. Após a invasão, o Ocidente anunciou um pacote conjunto de sanções, e mais medidas devem vir, mas os países têm reforçado que a Otan não enviará tropas à Ucrânia

O fato é que europeus estão, a princípio, pouco ansiosos para entrar em um conflito com a Rússia a poucos quilômetros de casa, enquanto os EUA vivem conflitos internos, como a inflação recorde. Já a Rússia sabe que um embate direto com o Ocidente pode ser catastrófico, inclusive para o próprio governo Putin. As próximas horas serão, sem dúvida, de alta tensão na esfera decisória global.

Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre economia e negócios.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

 

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.