Negócios
Acompanhe:

Chinesa de carros elétricos Xpeng precifica IPO e pode levantar US$ 1,1 bi

A startup, que tem a Alibaba como um de seus investidores, quer atrair capital dos Estados Unidos, mesmo diante da escalada das tensões com o governo chinês

 (Xpeng/Divulgação)

(Xpeng/Divulgação)

J
Juliana Estigarribia

Publicado em 26 de agosto de 2020, 06h00.

Última atualização em 26 de agosto de 2020, 10h36.

As startups de veículos elétricos estão ganhando cada vez mais espaço. A chinesa Xpeng, cujos investidores incluem as gigantes Alibaba e Xiaomi, deve precificar nesta quarta-feira, 26, as ações de sua oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) na Bolsa de Nova York (Nyse).

A empresa, fundada em 2014, espera levantar cerca de 1,1 bilhão de dólares com o IPO.

O movimento acontece mesmo diante da escalada das tensões entre Estados Unidos e China. A ambição da companhia é atrair investidores no mercado de capitais mais pujante do mundo, principalmente no setor de tecnologia.

A expectativa da Xpeng é precificar suas ações entre 11 e 13 dólares, de acordo com documento divulgado na sexta-feira, 21. No topo dessa faixa, a empresa poderia ser avaliada em cerca de 9,2 bilhões de dólares.

A empresa planeja vender 85 milhões de recibos de ações, ou ADRs (American Depositary Shares), cada um representando duas ações ordinárias da Xpeng.

Em junho, outra chinesa de carros elétricos, a Li Auto, levantou 1,1 bilhão de dólares na Nasdaq, chegando a um valor de mercado próximo a 10 bilhões de dólares.

A americana Nikola também continua ganhando a atenção dos investidores. Com um valor de mercado de cerca de 15 bilhões de dólares, a empresa de veículos movidos a eletricidade e células de hidrogênio se mantém em alta na Nasdaq, mesmo admitindo que não terá receita neste ano.

A Tesla não é uma startup, mas ainda é considerada novata na centenária indústria automotiva. A empresa comandada pelo bilionário Elon Musk tornou-se recentemente a montadora mais valiosa do mundo, ultrapassando a Toyota e mostrando que, no setor, tradição está perdendo (um pouco) de espaço para o ousado. Pelo menos por enquanto.

Polêmica

A Tesla iniciou, no ano passado, um processo contra Guangzhi Cao, um ex-engenheiro da companhia que passou a trabalhar para a Xpeng. A ação envolve a propriedade intelectual do Autopilot, sistema de direção autônomo da montadora americana. 

Segundo a Tesla, o engenheiro teria roubado parte de seu código-fonte e vendido para a Xpeng criar o chamado Xpilot.

O acusado admitiu ter baixado partes do código, mas afirma que apagou as informações antes de ingressar na Xpeng. O processo está em andamento.