Turquia prossegue com ataques na Síria, 'determinada' a proteger sua fronteira

"A nossa determinação em proteger todas as nossas fronteiras do sul (...) com uma zona de segurança é hoje mais forte do que nunca", disse o chefe de Estado turco
Erdogan: A Turquia executa uma série de ataques aéreos na Síria e no Iraque desde domingo contra combatentes curdos pertencentes ao que Ancara chama de grupos "terroristas" (Murad Sezer/Reuters)
Erdogan: A Turquia executa uma série de ataques aéreos na Síria e no Iraque desde domingo contra combatentes curdos pertencentes ao que Ancara chama de grupos "terroristas" (Murad Sezer/Reuters)
A
AFPPublicado em 23/11/2022 às 11:02.

A Turquia continua atacando posições de combatentes curdos no norte da Síria e seu presidente, Recep Tayyip Erdogan, reiterou nesta quarta-feira (23) sua "determinação" de intervir para proteger sua fronteira sul.

"A nossa determinação em proteger todas as nossas fronteiras do sul (...) com uma zona de segurança é hoje mais forte do que nunca", disse o chefe de Estado turco.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

O governo da Turquia iniciou a Operação Garra-Espada no domingo, intensificando ataques aéreos e disparos de artilharia contra posições do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e das Unidades de Proteção Popular (YPG).

A Turquia acusa esses dois movimentos de terem ordenado o ataque que matou seis pessoas e feriu 81 em 13 de novembro em Istambul. Eles negam as acusações.

Um combatente curdo foi morto e três ficaram feridos nesta quarta-feira em um ataque de um drone turco contra uma base russa no nordeste da Síria, disse à AFP um oficial das forças curdas.

A Turquia executa uma série de ataques aéreos na Síria e no Iraque desde domingo contra combatentes curdos pertencentes ao que Ancara chama de grupos "terroristas".

"A Turquia tem os meios para procurar e punir terroristas envolvidos em ataques dentro e fora de suas fronteiras", disse Erdogan ao seu grupo do partido AKP na Assembleia.

Até lá, alertou, "vamos continuar as nossas operações aéreas sem interrupção e entraremos no território dos terroristas no momento que considerarmos oportuno".

O chefe de Estado especificou seus objetivos prioritários, citando as cidades sírias de Tal Rifat, Manbij, Ayn al-Arab (Kobane em curdo), com o objetivo de proteger a fronteira sul da Turquia, estabelecendo uma zona de segurança de 30 quilômetros de largura.

A emblemática cidade de Kobane, um reduto curdo das YPG recuperado em 2015 dos extremistas do Estado Islâmico, com o apoio do Ocidente, já foi alvo da artilharia turca na terça-feira.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), uma ONG independente com sede em Londres, e as autoridades curdas relataram a continuidade de ataques com drones nesta quarta-feira em vários pontos da província síria de Hasaka (norte da Síria), incluindo uma refinaria de gás e uma estação de bombeamento de petróleo.

- "Ataques punitivos" -

A artilharia turca também ataca a área da prisão de Jerkin, em Qamishli, onde estão detidos jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI), segundo ambas as fontes.

Segundo o ministro da Defesa turco, Hulusi Akar, os ataques "punitivos" realizados pela Força Aérea e artilharia turca atingiram 471 alvos até agora e 254 "terroristas" foram neutralizados.

"Os único alvos das Forças Armadas turcas são os terroristas e as estruturas pertencentes a esses terroristas", disse ele. "Não temos problemas com nenhum grupo étnico ou religioso, nem com nossos irmãos curdos ou árabes", insistiu Akar.

O governo turco, que ameaça atacar as posições do PKK e do YPG desde maio, insiste desde segunda-feira que deseja continuar suas operações terrestres.

Além disso, o chefe de Estado reiterou nesta quarta-feira suas acusações contra os países que lhes deram apoio, referindo-se aos Estados Unidos, mas sem nomeá-los.

"Estas potências que nos garantiram que não haveria ameaça dessas regiões sob seu controle não foram capazes de manter sua palavra", denunciou Erdogan. "Portanto, temos o direito de administrar nossos próprios assuntos" na Síria, acrescentou.

LEIA TAMBÉM: