Trump diz que EUA pode ter vacina antes da eleição. É possível?

Eleições americanas estão marcadas para 3 de novembro. As projeções mais otimistas para uma vacina apontam para a conclusão dos testes no fim do ano

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira, 6, que é possível que o país tenha uma vacina contra o coronavírus antes da eleição de novembro.

Questionado no programa de rádio Geraldo Rivera sobre quando uma vacina pode estar pronta, Trump disse: “Antes do final do ano, pode ser muito mais cedo”. “Antes de 3 de novembro?”, perguntaram ao presidente. “Eu acho que em alguns casos, sim, seria possível antes, mas mais ou menos naquela época”, disse Trump.

As eleições americanas estão marcadas para 3 de novembro. Atualmente, algumas das vacinas mais promissoras contra o coronavírus estão na fase 3, de testes em milhares de humanos — duas delas, da Universidade de Oxford com o laboratório AstraZeneca e do laboratório chinês Sinovac, estão sendo testadas no Brasil.

Desse modo, a aprovação de uma vacina antes da eleição precisaria acontecer entre o fim de outubro e começo de novembro, o que é um cenário dos mais otimistas.

As previsões de especialistas para o melhor dos cenários apontam para uma potencial aprovação de uma das vacinas em novembro. A vacina da Sinovac, testada em parceria com o Instituto Butantan e uma das mais avançadas, deve terminar testes entre o fim de outubro e novembro — e, depois, precisaria passar pela aprovação de órgãos regulatórios.

Ainda assim, a previsão de Trump é mais otimista do que o cronograma apresentado pelos próprios especialistas em saúde da Casa Branca.

O dr. Anthony Fauci, infectologista que lidera os esforços americanos no combate à pandemia, disse também nesta semana que acredita que algumas das vacinas em potencial possam estar prontas e seguras para aplicação em humanos já em 2020, porém mais perto do fim do ano.

Passada a aprovação, o que seria ainda mais difícil nas previsões atuais é que algum tipo de vacinação concreta na população começasse antes do início de novembro.

Reeleição de Trump

As declarações do presidente americano acontecem em meio à campanha presidencial em que Trump disputa a reeleição com o democrata Joe Biden. Trump aparece atrás de Biden em uma série de estados importantes na corrida eleitoral. Trump também está atrás de Biden em número absoluto de votos: Biden tem 50% das intenções de voto na média das pesquisas, ante 42,5% de Trump.

A eleição nos Estados Unidos é decidida pelo número de delegados e estados em que os candidatos vencem, e não pelo número absoluto de votos.

Cientistas de dentro e de fora das agências do governo, segundo o jornal The New York Times, temem que o presidente aumente a pressão para que autoridades sanitárias aprovem uma vacina contra a covid-19 no máximo até outubro. Quanto mais tempo as vacinas levam em testes, mais garantida é sua segurança e eficácia.

O processo de teste das vacinas do coronavírus já vem sendo mais acelerado do que o normal. Em situações típicas, uma vacina pode demorar até uma década para ser aprovada.

O governo dos Estados Unidos fechou parcerias para comprar parte da produção de empresas como a americana Pfizer e a alemã BioNTech, parceiras em uma das vacinas promissoras, e a também americana Moderna, outra das empresas que têm protótipo de alguma vacina. As duas vacinas também já estão em fase de testes com humanos. O governo Trump também fez aportes nas pesquisas da AstraZeneca, parceira da vacina de Oxford, na Johnson & Johnson e no laboratório Novavax.

(Com Estadão Conteúdo e agências internacionais)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.