Putin diz a Macron que alcançará objetivos 'pela negociação ou guerra'

Macron expressou preocupação com os ataques a instalações nucleares ucranianas depois que, em 4 de março, as forças russas cercaram a maior usina nuclear da Europa
 (AFP/AFP)
(AFP/AFP)
A
AFP

Publicado em 06/03/2022 às 14:56.

Última atualização em 06/03/2022 às 15:25.

Vladimir Putin disse neste domingo a Emmanuel Macron que alcançará "seus objetivos" na Ucrânia "pela negociação ou pela guerra", durante uma conversa telefônica entre o presidente russo e seu colega francês, informou o governo de Paris.

O líder russo afirmou ainda que "não é sua intenção" atacar centrais nucleares ucranianas, segundo uma fonte da presidência francesa.

Durante a conversa de uma hora e 45 minutos, Macron viu Putin "muito decidido a conseguir seus objetivos", entre eles "o que o presidente russo chama de 'desnazificação' e neutralização da Ucrânia".

A conversa por telefone entre os dois, a pedido de Macron, foi a quarta desde o início da ofensiva russa na Ucrânia em 24 de fevereiro.

No diálogo anterior, a presidência francesa afirmou que Macron considerou que "o pior está por vir" e que Putin buscava assumir o controle "de todo o país".

Putin também pediu o reconhecimento da soberania russa sobre a Crimeia (que Moscou anexou em 2014) e da independência dos territórios de língua russa do Donbass (leste da Ucrânia).

As exigências "são inaceitáveis para os ucranianos", explicou a presidência francesa.

Macron pediu a Putin que seu exército não coloque civis em perigo, de acordo com o direito internacional, algo que, segundo o governante russo, não está acontecendo.

O presidente francês respondeu que é "o exército russo que está atacando" e que "não tem motivos para acreditar que o exército ucraniano está colocando civis em perigo".

Putin acusou Kiev pelo fracasso da operação de retirada de civis da cidade portuária de Mariupol (sul), cercada pelas tropas russas, segundo o Kremlin.

Durante a conversa, Putin "chamou a atenção para o fato de que a Ucrânia continua a não respeitar os acordos a respeito do grave problema humanitário", afirma o comunicado do Kremlin, após duas tentativas frustradas de retirada em Mariupol, com as duas partes acusando o outro lado de violar o cessar-fogo.

Macron expressou preocupação com os ataques a instalações nucleares ucranianas depois que, em 4 de março, as forças russas cercaram a maior usina nuclear da Europa, em Zaporizhzhia.

"O presidente Putin disse que não era sua intenção atacar as centrais. Ele também disse que está disposto a respeitar as regras da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) sobre a proteção das usinas", afirmou a presidência francesa.

Leia mais