Premiê da Itália recebe aval e acena com medidas duras

Monti, de 68 anos, disse ao Senado que a sobrevivência do euro depende em parte da realização de reformas radicais na Itália nas próximas semanas

Roma - O primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, obteve na quinta-feira um expressivo voto de confiança do Senado, depois de prometer rigor e justiça nas dolorosas reformas necessárias para tirar o país de uma crise financeira que ameaça toda a zona do euro.

Apresentando seu programa de governo antes da votação, Monti, de 68 anos, disse ao Senado que a sobrevivência do euro depende em parte da realização de reformas radicais na Itália nas próximas semanas. A União Europeia enfrenta hoje o maior desafio da sua história, acrescentou.

Monti teve 281 votos favoráveis e 25 votos contrários, todos do partido autonomista Liga Norte. Sua posse deve ser formalizada na sexta-feira com outra votação, na Câmara dos Deputados.

"O governo reconhece que foi formado para resolver uma séria emergência", disse Monti, prometendo reformas - provavelmente impopulares - no sistema de bem estar social, na previdência e no mercado de trabalho.

Monti, nomeado na quarta-feira para substituir o desacreditado Silvio Berlusconi, disse que a Itália corre o risco de ter seu destino decidido por outros países caso não aja por conta própria. Ele alertou que os membros mais vulneráveis da sociedade são os que mais têm a perder.

À frente de um governo de tecnocratas, o economista terá a urgente tarefa de recuperar a confiança dos mercados, depois de o custo da dívida italiana atingir valores quase insustentáveis.

Também na quinta-feira, ele conversou com o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e com a chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, disseram os três líderes em nota.

Em seu pronunciamento de 45 minutos ao Senado, Monti disse que tentará conciliar a redução da dívida pública com o estímulo ao crescimento. Prometeu combater a sonegação tributária, melhorar a educação e a formação profissional, fortalecer os programas sociais e eliminar regras que dão excessiva proteção a alguns trabalhadores, em detrimento de outros, principalmente jovens.

O novo premiê disse que a previdência deverá sofrer mudanças para eliminar disparidades, e sinalizou que o governo pretende recriar um imposto sobre imóveis únicos, que havia sido abolido por Berlusconi.

Monti também quer vender patrimônios estatais e reduzir impostos sobre a mão de obra e a produção, contrabalançando-os com uma maior taxação sobre o consumo.

Uma pesquisa mostrou que 73 por cento dos italianos estão confiantes na capacidade do novo premiê em resolver os problemas italianos. Entre os eleitores do bloco de centro-direita, que dava apoio a Berlusconi, a confiança em Monti é de 60 por cento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também