Papa denuncia genocídio armênio de 1915

Francisco já havia qualificado o massacre armênio de genocídio em abril de 2015 no Vaticano, o que provocou a ira de Ancara

O Papa Francisco denunciou nesta sexta-feira "o genocídio dos armênios" em 1915/16, sob o Império Otomano, pronunciando pela segunda vez esta palavra, considerada inaceitável pela Turquia.

"Esta tragédia, este genocídio marcou, infelizmente, o início da triste série de catástrofes imensas do século passado", exclamou o papa no palácio presidencial armênio.

Ele se expressou ao chefe de Estado Serge Sarkissian, à classe política e ao corpo diplomático.

A palavra 'genocídio' não figurava no texto distribuído por antecedência. Francisco já havia qualificado o massacre armênio de genocídio em abril de 2015 no Vaticano, o que provocou a ira de Ancara.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.