A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Obama pede ao Congresso que atue para reduzir déficit

Presidente americano propôs um aumento de impostos para milionários e empresas petrolíferas

Washington - O presidente Barack Obama instou nesta quarta-feira ao Congresso que atue para chegar a um acordo sobre a redução do déficit que passa por um aumento de impostos para os ricos e insistiu que ninguém quer uma moratória nos Estados Unidos.

"Ninguém quer pôr a qualidade do crédito dos EUA em risco. Ninguém quer ver uma moratória nos Estados Unidos", afirmou Obama durante entrevista coletiva na qual propôs aumentar os impostos aos milionários e às empresas petrolíferas.

"Não acho que seja uma ideia radical. Acho que todo mundo está de acordo com isto", afirmou Obama.

Seu comparecimento à imprensa coincide com um ponto morto nas conversas para a redução do déficit que permita aumentar o teto da dívida no país fixado em US$ 14,29 trilhões.

A Casa Branca advertiu que se não chegar a um acordo para estender o limite de endividamento, prazo que vence em 2 de agosto, o Governo não poderá pagar suas faturas.

O presidente insistiu em que uma das medidas "mais importantes e urgentes" que os Estados Unidos precisam fazer atualmente é reduzir o déficit.

Mencionou nesse sentido, que as conversas lideradas pelo vice-presidente dos EUA, Joseph Biden, com líderes do Congresso se traduziram em um "progresso real" na hora de se aproximar posturas, mas insistiu em que é preciso "fazer algo mais".

Obama afirmou que é necessário tomar algumas "decisões difíceis", como cortar o orçamento de defesa.

Insistiu ainda no fato de os Estados Unidos não devem permitir as vantagens fiscais para os milionários às companhias petrolíferas e os executivos que viajam em aviões privados.

Se optar por essa via, os EUA terão de cortar a pesquisa médica e as bolsas de estudos para estudantes, entre outras verbas sociais.

"Antes de cortar a educação de nossas crianças (...) me parece justo que peçamos a uma companhia petrolífera ou ao proprietário de um avião corporativo que renuncie a seu corte fiscal", indicou o presidente.

Sua entrevista coincidiu com a publicação de um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) no qual adverte que se os EUA não chegarem a um acordo para aumentar o limite da dívida o mais rápido possível correm o risco de sofrer rebaixamento soberano, o que traria "graves" consequências mundiais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também