Mundo

Estados Unidos estudam banir TikTok do país, diz secretário de Estado

Declaração foi dada por Mike Pompeo à Fox. Também nesta madrugada, o TikTok disse que vai parar de operar em Hong Kong com a nova lei de segurança da ilha

TikTok: aplicativo faz sucesso entre os mais jovens e passa de 2 bilhões de downloads, mas é alvo de debates por suas ligações com a China (Dado Ruvic/File Photo/Reuters)

TikTok: aplicativo faz sucesso entre os mais jovens e passa de 2 bilhões de downloads, mas é alvo de debates por suas ligações com a China (Dado Ruvic/File Photo/Reuters)

CR

Carolina Riveira

Publicado em 7 de julho de 2020 às 08h53.

Última atualização em 7 de julho de 2020 às 12h17.

O dia começou agitado para o aplicativo de vídeos TikTok. O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse na noite de segunda-feira, 6, que os Estados Unidos estão analisando a possibilidade de banir a rede social do país. Também nesta madrugada, o TikTok anunciou que vai parar de operar em Hong Kong em meio à possibilidade de censura do governo chinês na ilha.

A fala de Pompeo trouxe poucas ações concretas, mas pode acender um sinal de alerta. "Eu não quero 'passar na frente' do presidente [Donald Trump], mas é algo que estamos analisando", disse Pompeo em entrevista à Fox News, quando perguntado sobre banir o TikTok no país.

O TikTok pertence à companhia chinesa ByteDance, com sede em Pequim, capital da China. O app vem ganhando popularidade internacional nos últimos dois anos, chegando a mais de 2 bilhões de downloads e mais de 800 milhões de usuários ativos.

O anúncio desta segunda-feira de que o aplicativo vai parar as operações em Hong Kong é também um marco em meio às polêmicas sobre a nova lei de segurança imposta pelo governo chinês à ilha, aprovada em 29 de junho.

Hong Kong é território chinês desde 1967 e funciona com relativa autonomia -- no modelo que ficou conhecido como "um país, dois sistemas". A nova lei do governo chinês restringe as liberdades locais na ilha e reduz a possibilidade de manifestações e de contestação ao governo, após mais de dez meses de protestos dos moradores de Hong Kong no ano passado.

Segundo informa a Reuters com base em fontes próximas à empresa, a decisão do TikTok de não disponibilizar o aplicativo em Hong Kong aconteceu justamente porque a empresa não sabia precisar se teria de responder a manifestações da China solicitando informações de usuários.

O TikTok já não está disponível na China continental, onde diversas redes sociais usadas no Ocidente, como Facebook, Twitter e aplictivos do Google também não operam. Em território chinês, a ByteDance tem um outro app, o Douyin. O Douyin foi lançado em 2016 na China e, em seu processo de internacionalização em 2017, a ByteDance optou por separá-lo do app usado no exterior, que viria ser o TikTok.

Após o anúncio de hoje, o TikTok deve encerrar o serviço em Hong Kong nos próximos dias. O app tem na ilha mais de 150.000 usuários. Já o Douyin segue disponível -- embora o app só possa ser baixado na China ou por usuários de Hong Kong que se cadastrem como chineses,  tem mais usuários em Hong Kong do que o TikTok, segundo informou uma fonte à Reuters.

Facebook, Google e Twitter, que operam só em Hong Kong, e não na China, também anunciaram que, após a nova lei de segurança, vão rever as operações na ilha e que vão "pausar" a cooperação com a polícia local acerca de informações de usuários.

A lei de segurança em Hong Kong levou também o governo dos EUA a retirar um status especial que tinham com o território, que não sofria as mesmas restrições comerciais que o governo americano impunha à China.

O TikTok na China

O TikTok diz historicamente querer se manter independente do governo chinês e afirma que não compartilha dados com o governo central em Pequim.

Em resposta aos comentários de Pompeo, um porta-voz da ByteDance disse que "o TikTok é liderado por um CEO americano, com centenas de empregados e líderes-chave em segurança, produto e políticas públicas aqui nos Estados Unidos", segundo reportou a rede britânica BBC. "Nunca fornecemos dados para o governo chinês, nem o faríamos se fossemos solicitados", disse.

O app é o primeiro chinês a conseguir bater de frente com as grandes redes sociais americanas. Outras empresas de tecnologia chinesas, como a Tencent (dona do WeChat), acabam restringindo suas operações ao gigantesco mercado chinês, de mais de 1 bilhão de usuários.

Em outro aceno aos críticos no Ocidente e em meio ao avanço entre os usuários fora da China, o TikTok anunciou em maio deste ano que seu novo presidente seria Kevin Mayer, diretor da divisão de streaming da Disney -- um dos responsáveis por lançar o Disney+, serviço "rival" da Netflix.

Conflitos geopolíticos

As controvérsias do TikTok em Hong Kong surgem dias depois de a Índia banir a rede social e mais de 50 outros aplicativos de empresas chinesas.

O governo indiano alegou ameaça à segurança nacional, em meio a um conflito na fronteira entre os países que deixou pelo menos 20 soldados indianos mortos. Por parte dos usuários, o caso gerou pedidos de "boicote" à tecnologia chinesa nas redes sociais da Índia.

Para além de Pompeo, congressistas americanos vêm expressando nos últimos meses preocupação a respeito de privacidade no TikTok, que vem ganhando espaço entre os jovens nos Estados Unidos, e sobre potencial uso do app para espionagem por ordens do governo chinês -- com quem os EUA estão em uma guerra comercial que já dura dois anos.

O mesmo tipo de acusação acontece com outras companhias chinesas, como a fabricante de celulares e eletrônicos Huawei. As empresas, por sua vez, afirmam que as críticas se baseiam puramente em conflitos geopolíticos entre os governos e no temor dos EUA de que haja uma maior concorrência entre empresas de tecnologia americanas e chinesas.

Acompanhe tudo sobre:ChinaEstados Unidos (EUA)TikTok

Mais de Mundo

'A defesa da democracia é mais importante do que qualquer título', diz Biden em discurso

Governo Lula se diz irritado com falas de Maduro, mas evita responder declarações

Netanyahu discursa no Congresso americano sob protestos de rua e boicote de dezenas de democratas

Em discurso a irmandade negra, Kamala pede ajuda para registrar eleitores e mobilizar base a votar

Mais na Exame