Indianos postam vídeos quebrando seus celulares chineses após conflito

Vídeos de pessoas na Índia quebrando smartphones se espalharam nas redes sociais, com indianos culpando chineses por coronavírus e por conflito na fronteira

Um movimento nas redes sociais da Índia pede à população que boicote celulares e outros produtos chineses, com postagens que incluem imagens de indianos esmagando celulares com os pés.

O conflito entre os dois países, que é histórico, se intensificou depois de um confronto na fronteira entre Índia e China no último dia 16 de junho. O episódio, na região do Himalaia, deixou 20 militares indianos mortos.

Mesmo antes do conflito na fronteira, indianos já vinham culpando a China por, segundo parte da população, ser responsável pelo surgimento do novo coronavírus — acusação que não é validada por autoridades de saúde, como a Organização Mundial da Saúde, mas que já foi feita por outros líderes mundiais, como o presidente americano, Donald Trump.

Diversas postagens pedindo boicote a celulares chineses e esmagando os aparelhos datam ainda das primeiras semanas da pandemia. Televisões sendo quebradas também aparecem nos vídeos. Hashtags como “#BoicoteChina” e “#BoicoteProdutosChineses” circulam nas redes indianas nos últimos meses, mas os protestos se intensificaram após o confronto na fronteira.

Na semana passada, em protestos de rua devido à morte dos soldados indianos, manifestantes também quebraram vidraças de lojas vendendo produtos chineses em algumas cidades da Índia.

O problema, para os indianos, é que boicotar os celulares chineses será uma tarefa difícil. Na Índia, 80% dos celulares vendidos são fabricados na China. A líder é a Xiaomi, seguida pela Vivo, ambas chinesas.

Segundo a consultoria Counterpoint Research, entre as cinco marcas mais vendidas no primeiro trimestre de 2020, a única não-chinesa é a sul-coreana Samsung. A Samsung respondeu no período por 16% dos aparelhos vendidos, ante 17% da Vivo e 30% da Xiaomi.

O confronto na semana passada elevou a temperatura entre os dois países, potências nucleares e donas das maiores populações do planeta. Índia e China disputam há décadas essa região e entraram em guerra em razão disso em 1962. O local do embate é conhecido como Linha de Controle Real e fica no vale de Galwan (Ladakh). Faz parte da Caxemira, uma área altamente militarizada e disputada, e é uma fronteira comum de cerca de 3.500 quilômetros.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.