Mundo

Netanyahu dissolve gabinete de guerra de Israel

Primeiro-ministro enfrenta críticas e incertezas sobre estratégia em Gaza após saída de opositores do gabinete de guerra

Benjamin Netanyahu criou o comitê logo após os atentados de 7 de outubro de 2023. (JACQUELYN MARTIN/POOL/AFP /Getty Images)

Benjamin Netanyahu criou o comitê logo após os atentados de 7 de outubro de 2023. (JACQUELYN MARTIN/POOL/AFP /Getty Images)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 17 de junho de 2024 às 08h09.

Última atualização em 17 de junho de 2024 às 14h40.

Tudo sobreIsrael
Saiba mais

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, dissolveu o gabinete de guerra do país, segundo um oficial israelense. A decisão ocorreu pouco mais de uma semana após o líder da oposição, Benny Gantz, retirar-se do órgão.

O gabinete de segurança continuará decidindo sobre assuntos relacionados à guerra. Netanyahu consultará fóruns menores sobre questões sensíveis. As informações são da CNN.

A dissolução do gabinete de guerra ocorre em meio a críticas crescentes de membros da ala direita de sua coalizão, incluindo o ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, e o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, que pressionam para serem incluídos no gabinete de guerra.

Gantz anunciou sua saída do gabinete na semana passada, citando a falta de uma estratégia de Netanyahu para a guerra em Gaza e a governança futura da região.

Gabinete foi formado após ataques terroristas

O gabinete de guerra foi formado cinco dias após os ataques terroristas liderados pelo Hamas em 7 de outubro. Na ocasião, o ex-ministro da Defesa e chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel (IDF), Gantz, concordou em se juntar a um "governo de emergência".

Além de Netanyahu e Gantz, o gabinete incluía o atual ministro da Defesa, Yoav Gallant, e o confidente de Netanyahu, Ron Dermer, além do ex-general Gadi Eisenkot como "observadores". Ben-Gvir e Smotrich foram excluídos do gabinete a pedido do ex-chefe do Estado.

Ao anunciar sua decisão de deixar o gabinete de guerra em 9 de junho, Gantz acusou Netanyahu de colocar suas próprias considerações políticas à frente de uma estratégia pós-guerra para a Faixa de Gaza. O ex-chefe do Estado-Maior criticou a hesitação e procrastinação de Netanyahu em decisões estratégicas cruciais devido a considerações políticas e pediu a realização de eleições nos próximos meses.

Ben-Gvir exigiu ser incluído no gabinete de guerra. Ao desmantelar o gabinete, Netanyahu evita ter que aceitar essa demanda. Um oficial israelense afirmou que, no futuro, o primeiro-ministro realizará fóruns menores para discutir questões sensíveis relacionadas à guerra com o Hamas.

A dissolução do gabinete de guerra reflete as tensões internas na coalizão de Netanyahu e as dificuldades em manter uma frente unida em meio ao conflito em Gaza. A decisão também ressalta os desafios que o primeiro-ministro enfrenta ao equilibrar as demandas políticas internas e a necessidade de formular uma estratégia eficaz para lidar com o Hamas e a situação na Faixa de Gaza.

Netanyahu tem adotado uma abordagem firme em relação à segurança nacional e à política externa, frequentemente priorizando medidas militares e de segurança em resposta às ameaças percebidas. Ele é conhecido por sua postura linha-dura em relação ao Irã e ao programa nuclear iraniano, e tem buscado fortalecer alianças com países que compartilham suas preocupações de segurança.

Acompanhe tudo sobre:IsraelPalestinaBenjamin NetanyahuFaixa de Gaza

Mais de Mundo

Após ataque, Trump vai para Milwaukee, local da convenção republicana, neste domingo

Biden: Trump terá segurança ampliada e medidas de segurança da convenção republicana serão revistas

Peru declara 4 distritos em emergência após danos causados ​​por terremoto de 7 graus

Governo da Pensilvânia identifica homem que morreu no comício de Trump, diz jornal

Mais na Exame