Mil voos são cancelados na França devido à greve dos controladores de tráfego aéreo

Trabalhadores exigem novas contratações e aumentos salariais. Mobilização afeta todo o trânsito de aviões na Europa
principal sindicato de controladores de tráfego aéreo do país convocou a greve para exigir novas contratações e aumentos salariais (CHRIS DELMAS/Getty Images)
principal sindicato de controladores de tráfego aéreo do país convocou a greve para exigir novas contratações e aumentos salariais (CHRIS DELMAS/Getty Images)
A
Agência O GloboPublicado em 16/09/2022 às 13:26.

Pelo menos mil voos foram cancelados e muitos outros sofreram atrasos significativos nesta sexta-feira na França devido a uma greve dos controladores de voo, que também afetará todo o tráfego europeu. O principal sindicato de controladores de tráfego aéreo do país convocou a greve para exigir novas contratações e aumentos salariais.

A Direção-Geral da Aviação Civil francesa (DGAC) pediu às companhias aéreas que reduzissem o seu programa de voos em 50% no continente francês e no exterior, ou seja, “cerca de mil voos cancelados” com origem ou destino em França.

A greve também afeta todo o tráfego europeu. De acordo com a Eurocontrol, empresa europeia de gestão de tráfego aéreo, haverá "graves distúrbios" e atrasos significativos ao longo do dia.

A Ryanair anunciou que terá que cancelar 420 voos, o que afetará 80 mil passageiros, especialmente nos voos que sobrevoam a França.

A Air France, por sua vez, cancelou cerca de 400 de seus 800 voos programados para esta sexta-feira. Os mais afetados são os de curta e média distância, o equivalente a 55% dos voos cancelados. Os voos de longo curso são menos afetados, sendo um voo em cada dez cancelado.

A greve responde às preocupações dos controladores de tráfego aéreo franceses sobre "o nível atual de inflação" e "contratações futuras" versus aposentadorias antecipadas.

A categoria já emitiu um aviso para outra greve, entre os dias 28 e 30 deste mês.

Veja também: 

UE lança projeto de lei para proteger pluralismo e independência da imprensa na Europa

Charles III visita Gales antes da 'Vigília dos Príncipes' em Londres