Maduro e Petro conversam para normalizar fronteira entre Colômbia e Venezuela

A fronteira Colômbia-Venezuela, que era a mais movimentada da América Latina, fechou em 2019 com o rompimento das relações entre os dois países
Maduro: a Colômbia abriga dois dos seis milhões de venezuelanos que migraram devido à crise na Venezuela (AFP/AFP)
Maduro: a Colômbia abriga dois dos seis milhões de venezuelanos que migraram devido à crise na Venezuela (AFP/AFP)
Por AFPPublicado em 22/06/2022 16:07 | Última atualização em 22/06/2022 16:07Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, informou, nesta quarta-feira, 22, ter conversado com o presidente eleito da Colômbia, Gustavo Petro, sobre a "disposição de restabelecer a normalidade nas fronteiras", afetada desde 2015.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

"Conversei com o presidente eleito da Colômbia, Gustavo Petro, e em nome do povo venezuelano, o parabenizei por sua vitória. Conversamos sobre a disposição de restabelecer a normalidade nas fronteiras, diversos temas sobre a Paz e o futuro próspero de ambos os povos", tuitou Maduro.

A Venezuela rompeu relações diplomáticas com a Colômbia em 2019 depois que o governo do atual governante, Iván Duque, denunciou a reeleição de Maduro um ano antes como fraudulenta e reconheceu o opositor Juan Guaidó como presidente encarregado do país.

VEJA TAMBÉM: Do Chile à Colômbia (e, em breve, ao Brasil): os desafios que aguardam os eleitos na América Latina

Petro, que durante a campanha anunciou que normalizaria as relações com Maduro, escreveu mais cedo no Twitter que se comunicou "com o governo venezuelano para abrir as fronteiras e restabelecer o pleno exercício dos direitos humanos na fronteira".

A fronteira Colômbia-Venezuela, que era a mais movimentada da América Latina, fechou em 2019 após o rompimento das relações, embora a passagem de veículos já estivesse restrita desde 2015.

Petro: presidente de esquerda foi eleito na Colômbia no último fim de semana (Guillermo Legaria/Getty Images)

Desde então, o uso das chamadas "trilhas", passagens clandestinas na porosa fronteira de mais de 2.200 quilômetros, proliferou entre os habitantes dos dois países.

Os trânsitos de pedestres e o fluvial foram parcialmente retomados no final de 2021. A passagem de veículos e mercadorias continua fechada na cidade colombiana de Cúcuta, onde estão localizadas as principais pontes fronteiriças.

VEJA TAMBÉM: Os desafios de Petro: militares, economia e uma Colômbia dividida

Não foram oferecidos mais detalhes da conversa entre Maduro e Petro, o primeiro esquerdista a chegar à presidência da Colômbia, posto que irá assumir em 7 de agosto.

A fronteira também foi palco de múltiplos ataques de grupos armados irregulares contra as forças públicas colombianas e venezuelanas e de um ataque com rajadas de fuzil contra um helicóptero em que Duque viajava.

Duque tem acusado repetidamente Maduro de abrigar guerrilheiros colombianos e traficantes de drogas em seu território, o que Caracas nega, enquanto acusa o governo do presidente em fim de mandato de enviar paramilitares para desestabilizar e incentivar planos de assassinato na Venezuela.

A Colômbia abriga dois milhões dos seis milhões de venezuelanos que migraram devido à crise em seu país.