Macron: "Pela nossa liberdade, responderemos com decisões históricas"

Segundo ele, nem a França, nem a Europa, nem a Ucrânia, nem a Aliança Atlântica queriam esta guerra
 (Koji Sasahara/Pool/Reuters)
(Koji Sasahara/Pool/Reuters)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 02/03/2022 às 21:53.

O presidente francês, Emmanuel Macron, fez um pronunciamento nesta quarta-feira, 2, referente aos conflitos recentes na Ucrânia. Na ocasião, o líder afirmou que a "guerra na Europa já não pertence aos nossos livros escolares, está lá, diante dos nossos olhos". Segundo o francês a democracia "já não é considerada um regime indiscutível", sendo posta em causa. "Pela nossa liberdade e a dos nossos filhos, responderemos com decisões históricas", afirmou Macron.

"Perante as consequências econômicas e sociais de uma guerra no nosso continente, tenho e terei apenas uma bússola: protegê-los" disse. Segundo ele, nem a França, nem a Europa, nem a Ucrânia, nem a Aliança Atlântica queriam esta guerra. Ainda assim, Macron afirmou que a "Europa mostrou unidade e determinação", e que assim deve continuar.

"A nossa Europa deve investir mais para depender menos de outros continentes e poder decidir por si própria. Deve se tornar um poder. Poder econômico. Poder elétrico. Poder da paz", afirmou o líder. O presidente se disse ainda "ao lado de todos os russos que, recusando-se a fazer uma guerra indigna em seu nome, têm o espírito de responsabilidade e a coragem de defender a paz".

Segundo ele, centenas de milhares de refugiados ucranianos estão fugindo do país. "São e serão acolhidos na nossa União. A França ficará com a sua parte", afirmou Macron.

VEJA TAMBÉM:

Rússia não tem como usar cripto para driblar sanções, dizem especialistas

Por que Putin já perdeu essa guerra, segundo Yuval Harari

Presidenciáveis cobram posição do governo em defesa da Ucrânia

Brasil decide evacuar embaixada na Ucrânia