Legalização da maconha perde força no Uruguai

Presidente considerou esta terça-feira que é necessário "levar com calma" (devagar) a discussão porque além do voto no Congresso a maioria "tem que estar na rua"

Montevidéu – O governo uruguaio decidiu frear a discussão parlamentar do projeto que pretende legalizar a venda e distribuição de maconha, diante da baixa aceitação social da ideia, promovida pelo presidente, José Mujica.

Mujica, que anunciou em junho o projeto polêmico que pretende que o Estado assuma o controle da produção da droga e sua venda, considerou esta terça-feira que é necessário “levar com calma” (devagar) a discussão porque além do voto no Congresso, onde a esquerda (situação) dispõe de maioria absoluta, a maioria “tem que estar na rua”.

O freio ocorreu após a difusão de uma pesquisa de opinião da consultoria local Cifra, que mostrou que 64% dos uruguaios são contrários à legalização da venda de maconha e apenas 26% são favoráveis ao projeto.

O deputado governista Julio Bango – integrante da comissão que desenvolveu o projeto – explicou à AFP que “será retomado o processo de discussão a partir de março”, após o recesso parlamentar do verão austral, que começou esta semana.

“Vamos continuar no caminho que tínhamos traçado. O ano de 2013 é um horizonte prudencial para conseguirmos um debate a fundo no qual os meios de comunicação ajudem a que se amplie o debate que vamos ter com o Parlamento, por isso espero que 2013 será o ano em que tomaremos a decisão”, acrescentou Bango.

A intenção de Mujica de dilatar o debate visa a buscar que “o povo uruguaio avalie”.

“Capaz que a sociedade pense em melhores soluções”, já que “não podemos fazer coisas que outros países maiores não podem”, disse o presidente esta quarta-feira.

“É preciso parar a via repressiva para controlar as drogas porque é um fracasso”, mas sem deixar de lado “a informação do que acontece no mundo”, acrescentou.

O projeto, elaborado depois de três meses de debate entre o Poder Executivo e legisladores da governista Frente Ampla (FA), permitirá a posse de 40 gramas de maconha mensais a consumidores registrados, seis plantas a quem cultivar a droga e 90 a clubes de consumidores.