Mundo

Kamala Harris ganha força como substituta se Biden sair da disputa

Vice-presidente não conseguiu se tornar popular durante o mandato, mas herdaria estrutura de campanha mais facilmente

Kamala Harris, vice-presidente dos EUA (Angela Weiss/AFP)

Kamala Harris, vice-presidente dos EUA (Angela Weiss/AFP)

EFE
EFE

Agência de Notícias

Publicado em 4 de julho de 2024 às 11h16.

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, vem ganhando força nas últimas horas como uma possível substituta do presidente Joe Biden na candidatura pelo Partido Democrata às eleições presidenciais de novembro caso ele desista da disputa.

Alguns políticos e eleitores da legenda têm feito pressões para que Biden deixe de concorrer devido ao desempenho ruim que ele teve no debate com o ex-presidente Donald Trump, do Partido Republicano, na última quinta-feira.

Harris tem sido impopular durante todo o mandato, e sua candidatura não parecia uma opção realista até o fiasco de Biden na semana passada, quando apareceu no debate fragilizado e sem conseguir completar algumas frases.

A vice-presidente, de 59 anos, não só tem a vantagem de ser a sucessora natural de Biden, como pesquisas a colocam à frente de outros nomes populares do partido, e ela herdaria toda a estrutura da campanha.

Harris tentou escapar dos rumores na quarta, participando de uma videochamada com a equipe da campanha à reeleição de Biden, enviando uma mensagem de que ela é uma firme apoiadora do presidente.

Melhor em intenções de voto do que Biden

Mas, de acordo com uma pesquisa divulgada na terça-feira pela rede de televisão CNN, Harris se sairia melhor contra Trump do que Biden, embora o republicano prevalecesse em ambos os casos.

Em um duelo entre Biden e Trump, o republicano venceria com 49% dos votos contra 43% do democrata. Se a candidata fosse Harris, 47% dos entrevistados disseram que votariam em Trump, e 45% nela.

A família de Biden o tem incentivado a permanecer na disputa, mas cada vez mais pessoas dentro do Partido Democrata estão pedindo, em privado e até publicamente, sua retirada.

Tanto o jornal The New York Times quanto a CNN noticiaram nesta quarta-feira que Biden havia reconhecido a um aliado próximo que sua candidatura estaria em risco se ele não acalmasse as águas nos próximos dias, uma alegação negada pela Casa Branca.

Embora tenha garantido sua indicação depois de vencer as primárias, Biden ainda não é oficialmente o candidato democrata para as eleições de 5 de novembro e está esperando que o partido o confirme antes de sua convenção nacional, em agosto.

Analistas políticos dos EUA concordam que, para que haja um substituto para Biden, ele teria que retirar sua indicação e, nesse caso, sua companheira de chapa seria a favorita para substituí-lo.

"Se ele se afastar, Harris seria a melhor alternativa para os democratas, para não entrar em uma grande batalha interna a poucas semanas da convenção", disse à Agência EFE Stephen Farnsworth, cientista político da Universidade de Mary Washington.

A atual vice-presidente também teria "a chave para a maior parte" do dinheiro arrecadado pela campanha e não teria que começar a busca por fundos novamente, de acordo com a rede "CNBC".

Pontos fortes e fracos de Kamala Harris

Alguns já defendem Harris abertamente, como o congressista democrata Jim Clyburn, fundamental para a vitória de Biden nas primárias de 2020, que disse que a apoiaria no caso de desistência de Biden.

Os apoiadores da vice-presidente, que fez história em 2021 como a primeira mulher e a primeira negra no cargo, afirmam que ela tem defendido o aborto e tem apelo entre eleitores como mulheres e afro-americanos.

Mas Harris não teve um período popular na vice-presidência, um cargo à sombra do presidente sem funções específicas.

Muitas vezes, ela teve dificuldade para encontrar seu lugar na administração, foi ridicularizada em redes sociais por alguns discursos confusos, criticada por alguns posicionamentos políticos e chegou a sofrer ataques sexistas e racistas.

Seus pontos fracos, segundo Tim Hagle, professor de ciências políticas da Universidade de Iowa, são que "ela não é tão conhecida quanto Biden", fez algumas aparições públicas "embaraçosas" e teve problemas com sua equipe de escritório.

Em suma, de acordo com a pesquisa da CNN, Harris teria um desempenho melhor contra Trump do que outros possíveis candidatos democratas, como o governador da Califórnia, Gavin Newsom, e a governadora de Michigan, Gretchen Whitmer.

Os próximos dias, nos quais Biden agendou entrevistas e eventos para revitalizar sua imagem, serão fundamentais para definir o futuro do presidente e de sua candidatura.

Acompanhe tudo sobre:Joe BidenEleições EUA 2024Donald Trump

Mais de Mundo

Jovens da Venezuela se preparam para sua primeira eleição

Trump retoma campanha contra um Biden enfraquecido

Programa espacial soviético colecionou pioneirismos e heróis e foi abalado por disputas internas

Há comida nos mercados, mas ninguém tem dinheiro para comprar, diz candidata barrada na Venezuela

Mais na Exame