Japão planeja proibir importação de petróleo da Rússia

O Japão depende mais do gás natural russo do que do petróleo russo
 (Reuters/Regis Duvignau)
(Reuters/Regis Duvignau)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 09/05/2022 10:17 | Última atualização em 09/05/2022 10:17Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O premiê do Japão disse nesta segunda-feira, 9, que eliminará gradualmente e, eventualmente, proibirá a importação de petróleo russo, revertendo sua posição anterior após uma reunião dos líderes do G-7. "O Japão depende de importações para a maioria de seus recursos energéticos, então esta é uma decisão muito difícil, mas agora a unidade do G-7 é mais importante do que qualquer outra coisa", disse o primeiro-ministro Fumio Kishida. "Decidimos, em princípio, proibir as importações de petróleo russo".

Kishida participou de uma videoconferência de líderes dos países do G-7 no domingo (8) para discutir sanções à Rússia e outras questões relacionadas à Ucrânia. O país asiático ainda não decidiu com que rapidez eliminará as compras ou quando a proibição total entrará em vigor, disse Kishida.

O Japão depende mais do gás natural russo do que do petróleo de Moscou. Kishida disse que a proibição de importação planejada se aplica, por enquanto, apenas ao petróleo porque o gás natural não foi especificamente mencionado na declaração do G-7, mas sugeriu que as importações de energia poderiam ser ainda mais reduzidas se o G-7 assim o exigir. 

Guerra na Ucrânia transforma fabricantes de armas em empresas ESG

Elon Musk diz que pode ‘morrer sob circunstâncias misteriosas’

Em resposta a Putin, Zelensky diz que Ucrânia vencerá a guerra