Em resposta a Putin, Zelensky diz que Ucrânia vencerá a guerra

Zelensky citou várias cidades do leste e sul da Ucrânia atualmente sob controle das forças russas e afirmou que os ucranianos, durante a Segunda Guerra Mundial, expulsaram as forças da Alemanha nazista destas regiões
 (UKRINFORM/ Ukrinform/Future Publishing via/Getty Images)
(UKRINFORM/ Ukrinform/Future Publishing via/Getty Images)
A
AFP

Publicado em 09/05/2022 às 08:07.

Última atualização em 09/05/2022 às 08:48.

A Ucrânia vencerá a guerra e não permitirá que a Rússia "se aproprie da vitória sobre o nazismo", declarou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenski, nesta segunda-feira, 9, dia em que Moscou celebra o triunfo na Segunda Guerra Mundial.

"No dia da vitória sobre os nazistas, nós estamos lutando por outra vitória. O caminho para esta vitória é longo, mas não temos dúvidas sobre nossa vitória". "Nós vencemos na época. Vamos vencer agora", acrescentou o presidente ucraniano em referência à invasão russa de seu país, iniciada em 24 de fevereiro.  "Nosso inimigo sonhava que desistiríamos de celebrar o 9 de maio e a vitória sobre os nazistas para que a palavra desnazificação tivesse uma chance", completou.

LEIA TAMBÉM: Putin defende invasão à Ucrânia como preventiva e fala em ameaça da Otan

A "desnazificação" da Ucrânia é a principal razão alegada pelo presidente russo, Vladimir Putin, para justificar a invasão.

Moscou organizou um desfile militar na Praça Vermelha para marcar a data da vitória sobre a Alemanha nazista em 1945, que é celebrada em 9 de maio nos países da ex-União Soviética.

Zelensky citou várias cidades do leste e sul da Ucrânia atualmente sob controle das forças invasoras russas e afirmou que os ucranianos, durante a Segunda Guerra Mundial, expulsaram as forças da Alemanha nazista destas regiões.

"Hoje celebramos o dia da vitória sobre o nazismo. Estamos orgulhosos de nossos ancestrais que, ao lado de outras nações da coalizão anti-Hitler, derrotaram o nazismo. E não permitiremos que ninguém anexe esta vitória. Não permitiremos que seja apropriada", disse em um vídeo em que aparece caminhando por uma avenida do centro de Kiev.

LEIA TAMBÉM: