Mundo

Israel adverte que uma trégua em Gaza não vai parar o combate contra o Hezbollah no Líbano

Ministro da Defesa do país categorizou o confrontro com o Hamas e o grupo xiita como "setores separados"

O ministro da Defesa israelita, Yoav Gallant (foto), disse este domingo, durante uma visita à base militar do Monte Hermon (Israel), que um acordo de cessar-fogo com o Hamas em Gaza não significará uma cessação das trocas comerciais com a milícia xiita Hezbollah sobre o território. fronteira com o Líbano (Ministério da Defesa de Israel/EFE)

O ministro da Defesa israelita, Yoav Gallant (foto), disse este domingo, durante uma visita à base militar do Monte Hermon (Israel), que um acordo de cessar-fogo com o Hamas em Gaza não significará uma cessação das trocas comerciais com a milícia xiita Hezbollah sobre o território. fronteira com o Líbano (Ministério da Defesa de Israel/EFE)

EFE
EFE

Agência de Notícias

Publicado em 8 de julho de 2024 às 08h14.

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, afirmou neste domingo, 8, em uma visita às tropas destacadas no norte do país, que um acordo de cessar-fogo com o Hamas em Gaza não significará a cessação das trocas de tiros com a milícia xiita Hezbollah na fronteira com o Líbano.

“São setores separados”, disse durante uma visita à base militar do Monte Hermon, para transmitir que os ataques na divisão norte não irão parar “a menos que o Hezbollah chegue a um acordo (com Israel)”.

“Continuaremos combatendo e faremos tudo o que for necessário” contra o Hezbollah, um inimigo que “só entende a força” e contra o qual o Exército está preparado para agir.

Gallant destacou as conquistas das forças armadas contra o Hezbollah, observando as mortes de 15 comandantes de brigada ou mais, incluindo três comandantes de divisão, o que representa “mais de 50% do número total” dos presentes no sul do Líbano.

No total, disse, "o Hezbollah e as organizações terroristas palestinas perderam 450 (combatentes)", marcando "dias críticos" em sua importância na ofensiva de Israel contra a milícia libanesa.

Ontem, os militares israelenses confirmaram o assassinato do comandante da milícia de defesa aérea, Maitham Mostafa al Attar, em Baalbek, na região de Bekaa.

As declarações de Gallant, hoje, chocam com as previsões do Hezbollah após uma reunião entre seu líder, Hasan Nasrallah, e uma delegação do Hamas no Líbano para analisar o acordo de cessar-fogo, segundo o qual a calma em Gaza também se traduziria em uma desescalada no norte.

A fronteira com o Líbano, onde as partes estão envolvidas na maior escalada de violência desde a guerra de 2006, levantando receios de um novo conflito aberto, foi palco na última segunda-feira de ao menos oito lançamentos de foguetes e mísseis antitanque contra posições de tropas israelenses.

“Foram identificados cerca de 20 projéteis atravessando o Líbano em direção à zona de Meron”, informou esta tarde um comunicado militar, em um ataque que não deixou vítimas, mas vários incêndios na zona.

No entanto, o lançamento de dois mísseis antitanque contra a cidade de Zar'it, muito perto da fronteira, deixou dois feridos ligeiros (um soldado e um cidadão israelense) e outro gravemente ferido, um cidadão americano.

O Exército está investigando o que dois civis faziam tão perto da fronteira.

Desde 8 de outubro do ano passado, quando o Hezbollah começou a atacar Israel em solidariedade com os grupos palestinos, mais de 500 pessoas foram mortas em ambos os lados da divisão Israel-Líbano, a maioria no lado libanês e nas fileiras do Hezbollah, o que confirmou quase 330 vítimas de milicianos e comandantes, alguns na Síria.

Acompanhe tudo sobre:IsraelHezbollahHamas

Mais de Mundo

Eleições nos EUA: 5 pessoas que podem convencer Biden a desistir

2024 registra o mês de junho mais quente da história, anuncia observatório europeu

Com Lula e sem Milei, encontro do Mercosul marca entrada da Bolívia e terá recados à Venezuela

Beryl ganha força e volta a categoria de furacão antes de chegar ao Texas

Mais na Exame