Mundo

Iraque bombardeia "sala de operações" do Estado Islâmico na Síria

O Iraque realiza ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Síria desde o ano passado, com a aprovação do regime sírio e a coalizão liderada pelos EUA

Estado Islâmico. (AFP/AFP)

Estado Islâmico. (AFP/AFP)

R

Reuters

Publicado em 16 de agosto de 2018 às 15h57.

Bagdá - O Iraque lançou um ataque aéreo em um grupo de combatentes do Estado Islâmico na Síria, matando integrantes do grupo militante que planejavam ataques além da fronteira, disseram os militares iraquianos nesta quinta-feira.

Jatos F-16 bombardearam e destruíram a "sala de operações" onde os militantes estavam reunidos. O Estado Islâmico, que já ocupou um terço do território do Iraque, foi amplamente derrotado no país, mas ainda representa uma ameaça na sua fronteira com a Síria.

"De acordo com a inteligência, esses terroristas que foram mortos estavam planejando operações criminosas usando coletes suicidas e mirariam em inocentes nos próximos dias dentro do Iraque", disseram os militares em comunicado.

As forças militares iraquianas realizaram diversos ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Síria desde o ano passado, com a aprovação do presidente sírio, Bashar al-Assad, e a coalizão liderada pelos Estados Unidos lutando contra os militantes.

O Iraque tem boas relações com o Irã e a Rússia, os principais apoiadores de Assad na guerra Síria, e também conta com um forte suporte da coalizão norte-americana.

O primeiro-ministro, Haider al-Abadi, declarou a vitória final sobre o Estado Islâmico em dezembro, mas o grupo ainda opera às escondidas na fronteira da Síria e em uma região montanhosa no nordeste do Iraque.

 

Acompanhe tudo sobre:Estado IslâmicoGuerra na SíriaIraque

Mais de Mundo

Com esgotamento do chavismo, Maduro enfrenta desafio mais difícil nas urnas desde 2013

Dinastia Trump S.A.: Influência de família em campanha sinaliza papel central em possível governo

Após mais de 100 mortes em protestos, Bangladesh desliga internet e decreta toque de recolher

Opinião: A hegemonia do dólar deve ser terminada

Mais na Exame