Humanidade está a um 'erro de cálculo da aniquilação nuclear', segundo chefe da ONU

"Tivemos uma sorte extraordinária até agora. Mas a sorte não é estratégia nem escudo para impedir que as tensões geopolíticas degenerem em conflito nuclear", disse António Guterres
Hoje, a humanidade está a um equívoco, a um erro de cálculo da aniquilação nuclear", advertiu Antonio Gutierres (Anadolu Agency/Getty Images)
Hoje, a humanidade está a um equívoco, a um erro de cálculo da aniquilação nuclear", advertiu Antonio Gutierres (Anadolu Agency/Getty Images)
A
AFPPublicado em 01/08/2022 às 17:31.

A humanidade está a "um erro de cálculo da aniquilação nuclear", advertiu nesta segunda-feira(1)o secretário-geral da ONU, ao estimar que este risco "não é visto desde o auge da Guerra Fria".

"Tivemos uma sorte extraordinária até agora. Mas a sorte não é estratégia nem escudo para impedir que as tensões geopolíticas degenerem em conflito nuclear", disse António Guterres na abertura da conferência dos 191 países signatários do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP).

"Hoje, a humanidade está a um equívoco, a um erro de cálculo da aniquilação nuclear", advertiu, ao instar o mundo a "se desfazer de suas armas nucleares".

Após ter sido adiada várias vezes desde 2020 devido à pandemia de covid-19, a 10ª conferência de análise do TNP, tratado internacional que entrou em vigor em 1970 para impedir a propagação das armas nucleares, será realiza até 26 de agosto na sede das Nações Unidas em Nova York.

Esta reunião é uma "oportunidade para reforçar este tratado e adequá-lo ao mundo de hoje", declarou Guterres, que espera reiterar que não se recorra ao uso da arma nuclear e que também sejam adotados "novos compromissos" para reduzir o arsenal.

"Eliminar as armas nucleares é a única garantia de que nunca serão utilizadas", recordou, antes de informar que em alguns dias visitará Hiroshima, no aniversário do bombardeio nuclear.

"Cerca de 13.000 armas nucleares estão nos arsenais do mundo, em um momento em que os riscos de proliferação aumentam e as salvaguardas para prevenir esta escalada se enfraquecem", lembrou, antes de mencionar as  "crises" no Oriente Médio e na península da Coreia além da invasão russa da Ucrânia.

Em janeiro, os cinco membros do Conselho de Segurança --Estados Unidos, China, Rússia, França e Reino Unido, que são também potências nucleares--, se comprometeram a "prevenir o acesso e a disseminação" nuclear, antes da divulgação de um novo relatório da conferência, que está sob análise.

Durante a última conferência de análise de 2015, as partes não alcançaram um acordo sobre as questões de fundo.

Veja também: 

EUA enviará mais US$ 550 milhões em armas à Ucrânia

Novo conflito? China diz que pode reagir militarmente à visita de Pelosi a Taiwan