Governo pede redução em diárias de hotel para Rio+20

O Palácio do Planalto escalou nesta sexta-feira quatro ministros para pressionar o setor hoteleiro e cobrar uma redução superior a 20% no valor das diárias

Brasília - Preocupado com a decisão de delegações estrangeiras e até da Câmara dos Deputados de não arcar com as elevadas despesas com hospedagem durante a Rio+20, o Palácio do Planalto escalou nesta sexta-feira quatro ministros para pressionar o setor hoteleiro e cobrar uma redução superior a 20% no valor das diárias. O objetivo do governo - que também quer acabar com os pacotes que exigem uma estada de sete dias - é chegar a um acordo na segunda-feira com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro (Abihrj) e a empresa de turismo Terramar, segundo informou o presidente da Embratur, Flávio Dino.

"Estamos falando de uma redução superior a 20% (no valor das diárias). Temos expectativa de chegar a uma redução superior a 30%. O porcentual final será definido na segunda-feira", disse Dino a jornalistas. "Estamos satisfeitos neste momento com a compreensão da indústria hoteleira e da empresa contratada. Queremos a máxima redução possível, porque acreditamos que o alinhamento de preços é importante para a imagem do País".

Coube à ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil) coordenar a reunião com Dino, representantes da Abihrj e os ministros Antonio Patriota (Itamaraty), José Eduardo Cardozo (Justiça) e Luis Inácio Adams (Advocacia Geral da União). A conversa se estendeu por três horas, sem a participação da presidente Dilma Rousseff. De acordo com o presidente da Embratur, a tarifa diária média no Rio de Janeiro (que seria de R$ 355) já estaria sendo triplicada e até quadruplicada por conta da conferência sobre desenvolvimento sustentável.

"O governo não pretende revogar a lei da oferta e da procura. O que estamos é fazendo um apelo à indústria hoteleira para que mesmo diante do aquecimento da demanda pratique preços mais compatíveis com o mercado de eventos", afirmou Dino. "Externamos a posição de não haver pacote mínimo de sete dias e tanto a indústria hoteleira quanto a operadora vão abrir mão desse pacote mínimo que estava sendo exigido. Ou seja, vão valer as leis de mercado. O cidadão ou a delegação que quiser comprar um, dois ou três, quatro dias, de acordo com a disponibilidade, vai adquirir sem que haja camisa de força do pacote mínimo". Até a noite desta sexta-feira, a reportagem não havia obtido resposta da assessoria da Abihrj.

O Parlamento Europeu tomou a decisão de cancelar a vinda de sua delegação ao constatar que a conta poderia chegar a 100 mil euros, dez vezes mais que o orçamento previsto. Outras delegações também reduziram o número de participantes - o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS) já anunciou que "não vai pagar" o preço cobrado pelos hotéis cariocas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.